Olááá! Hoje é

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Valorize o que Você Tem


Oi pessoal! Trago hoje uma reflexão pequena, mas bem profunda.

O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o na rua:
- Sr. Bilac, estou precisando vender o meu sítio, que o senhor tão bem conhece. Será que poderia redigir o anúncio para o jornal?
Olavo Bilac apanhou o papel e escreveu:

“Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um Ribeirão. A casa banhada pelo sol nascente oferece a sombra trânquila das tardes, na varanda”.

Meses depois, topa o poeta com o homem e pergunta-lhe se havia vendido o sítio.
- Nem penso mais nisso, disse o homem. Quando li o anúncio é que percebi a maravilha que tenho!

ÀS VEZES, NÃO DESCOBRIMOS AS COISAS BOAS QUE TEMOS CONOSCO E VAMOS LONGE ATRÁS DA MIRAGEM DE FALSOS TESOUROS. VALORIZE O QUE VOCÊ TEM E AS PESSOAS QUE ESTÃO PERTO DE VOCÊ. ESSE É O SEU VERDADEIRO TESOURO.

1) Quantas vezes vivemos em busca de algo melhor e nunca encontramos?
2) Quantas vezes buscamos alguém que nos ame mais, que nos trate melhor ou que atenda aos nossos caprichos e sempre erramos?
3) Quantas vezes buscamos novos empregos achando sempre que o que temos não nos serve?


                                                                         


Não estou dizendo para aceitar as coisas como são. Se estiver ruim pra você, ou se estiver sofrendo e sem motivação para continuar sua jornada, busque dentro de ti as respostas para uma vida plena de amor, tranquilidade, paz e acima de tudo: satisfação. Satisfação em ser você mesmo e nunca desistir da SUA felicidade. Sim, sua felicidade porque cada pessoa tem um conceito do que é felicidade para si mesmo.
É importante essa busca de si mesmo para não passar a vida em busca de algo  que não existe e para aprendermos a dar valor, significado, sentido ao que já temos e já somos.

Bjs a todos.
Mitchel

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Arrisque-se


Uma boa reflexão para iniciarmos nossa semana.

Ame-se! Faça ginástica, corte o cabelo, pinte as unhas, mude o guarda-roupa...
Resolva um problema de cada vez, nada de ficar sofrendo por antecedência.
Recarregue as baterias. Dê um tempo a si mesma de puro prazer, de lazer, de descanso, de oração ou até mesmo para não fazer nada.
Iniciativa. Tenha isso sempre em mente. Reja diante das situações, busque saídas, dê sugestões, diga o que pensa...
Sua vida é sua história. Não tenha vergonha de quem você é. Orgulhe-se!
Quebre a rotina. Mude seu trajeto, faça um programa no meio da semana, conheça novos amigos...
Use e abuse do direito de ser feliz. Não se contente com pouco, deseje e busque crescer cada vez mais.
Engaje-se em um projeto voluntário ou ajude alguém que precisa.

A auto estima é importantíssima, porque é a capacidade que uma pessoa tem de confiar em si própria, de se sentir capaz de poder enfrentar os desafios da vida, é expressar de forma adequada para si e para os outros as próprias necessidades e desejos, é ter amor próprio... Em suma, é saber que você tem o direito e merece ser feliz!"
A baixa auto estima gera ansiedade, medo, depressão, fobias e uma série de outros problemas. "Para ser feliz, é necessário que a auto estima esteja num bom nível. Quanto mais, melhor!
Você precisa mudar. Não pra arranjar namorado. Não pra caber nos padrões da sociedade. Não pra ser vista. Mas POR VOCÊ MESMA. Pela saúde. Pelo bem-estar.
E você pode! PODE MESMO! Nossas vidas são feitas de escolhas, nunca se esqueça disso. Muito menos na hora de ingerir alimentos. Você come pra quê? Se não for pra alimentar seu corpo, pode estar sendo pra suprir alguma frustração.
Temos a capacidade de construirmos a nossa felicidade ou a nossa infelicidade.
Agora é o momento oportuno de buscarmos mudanças em nosso padrão vibracional. Não se trata aqui, de enganar os nossos pensamentos e sim sentarmos diante deles, livrando-se dos julgamentos e rótulos que normalmente damos para cada um: (inveja, ódio, ciúme, avareza...) e dialogarmos amorosamente numa firme resolução de vencê-los.
Essa reforma íntima é necessária para que possamos viver em harmonia e equilíbrio com nós mesmos. Devemos mergulhar sem culpas em nosso interior a procura do autoconhecimento. Quando encararmos todas as nossas fraquezas, inseguranças e medos passaremos a sentir que a cada dia, vamos galgando um passo a mais na caminhada da renovação.
Lembre-se que toda virtude adquirida constitui-se patrimônio espiritual conquistado.
O fato é que estamos continuamente interagindo com o cosmos, emitindo e recebendo vibrações, e assim, criando as experiências que vivemos.
Assim como a gravidade atrai os corpos para o centro da Terra, os nossos pensamentos têm o poder de atrair para nós aquilo que desejamos ter e viver.

Uma excelente semana a todos nós.
Bjks

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Controle X Submissão




Essa semana, estava comendo pizza com uma amiga, quando ela começou a falar do seu casamento. Ela estava muito triste e começou a discorrer sobre o assunto:
- Quando me casei com Daniel, o que mais me atraiu nele foi o modo como ele me tratava, cuidando e se preocupando comigo. Estava sempre disposto a me pegar e me levar nos lugares, sempre que podia me acompanhava ao médico, adorava fazer mercado comigo, e até outras tarefas que os homens não gostam, Daniel fazia comigo.
Então, lhe perguntei o que estava errado, porque ela estava sofrendo e se desentendendo tanto com ele!?
E ela falou:
- Não sei. Antes eu gostava disso, mas agora me incomoda esse controle que ele tem da minha vida.
Eu falei que não estava entendo direito e então, ela me contou que eles resolveram fazer terapia pra ver se ajudava a descobrir o que estava acontecendo. Depois de passar por analistas, conselheiro matrimonial e terapeuta de casal, o terceiro só confirmou o que os outros dois também disseram: - Daniel tem mania de controlar.
Foi então que Eliza começou a chorar e dizer que no inicio ela achava que ele queria tomar conta dela, mas depois ela percebeu que na verdade ele só queria controlar tudo que ela fazia.
Depois de se acalmar um pouco, ela continuou falando que ficou muito chocada com o depoimento dele, quando ele disse ao terapeuta na frente dela:
- Eu gosto das coisas do meu jeito, as pessoas que entram na sua vida costumam se adaptar ao meu jeito e  antes, ela não reclamava e até gostava da atenção que lhe dou, não entendo do que ela está se queixando!?...
Pasmen!!! Amadas, até eu fiquei vermelha de tanta raiva ao ouvir aquele absurdo. Comecei a compreender o sofrimento da minha amiga. Que falta de bom senso!!!
Bem... Depois de acalmá-la e de termos tomado quase uma garrafa de vinho, ao chegar em casa fiquei pensando no assunto e cheguei a seguinte conclusão:
A necessidade de controlar vem da insegurança. Quanto mais inseguro é o homem, mas ele tem necessidade de controlar. Portanto amigas, muito cuidado para não confundir atenção e zelo verdadeiros com necessidade de controle.
Vocês devem também ficar atentas a carência. Algumas mulheres são tão carentes que ao serem tratadas com atenção, carinho e zelo, aceitam ser submissas ao companheiro. Sim, porque aceitar o controle é uma forma de submissão.
A minha amiga, assumiu que no inicio, achava lindo tudo que ele fazia, depois começou a perceber o poder que ele tinha sobre ela, mas não teve coragem de falar, porque sempre que tentava conversar com alguém sobre o assunto as pessoas falavam que ela tinha um marido maravilhoso, zeloso com ela, a filha e com a casa.
Ela começou a se sentir “a louca”, a problemática e injusta. Pode isso!?
Então, ela foi perdendo a auto-estima e se anulando cada vez mais. Quando sua saúde começou a despencar, foi que ela teve coragem de falar com ele e a partir disso, procuraram um profissional. Ela estava certa de que isso ia ajudar, mas quando ouviu aquelas palavras dele, teve certeza de que não seria nada fácil.
Bem amadas, não sei o que vai ser da minha amiga, mas espero que ela consiga resolver seus problemas dá melhor maneira para que ela seja feliz.

Deixo aqui mais uma reflexão: Gentileza, atenção, cuidado com o outro, estar disponível para o outro, afeto, carinho e respeito, é o mínimo que devemos ter do companheiro e ser para o nosso companheiro. Mas, muito cuidado com os excessos e com a falta desses sentimentos e de outros mais.

É como costumo dizer: Nem muito, nem pouco, seja do que for é bom. O essencial é o EQUILIBRIO.

Bjks
U uma excelente quinta-feira para todos nós.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

RESGATE DA AUTO-ESTIMA




Hoje, trago pra vocês um assunto que quanto mais falamos, menos esgotamos as possibilidades de aprendermos mais. As vezes é muito difícil, por mais que tenhamos consciência, melhorar a nossa Estima por nós mesmos por estarmos presos a conceitos e preconceitos estabelecidos pela sociedade.


Bom, muito se fala sobre auto-estima, mas poucas pessoas entendem o seu verdadeiro significado. Cuidar de sua auto-estima vai muito além de visitar o cabeleireiro ou comprar aquela roupa nova. Aliás, estas nem são condições necessárias para o cultivo da auto-estima.
Todos conhecemos, em tese, a definição básica de auto-estima: é a estima que tenho por mim mesmo, ou seja, o quanto me valorizo. O quanto me quero bem e me aceito.
Vamos aperfeiçoar esta definição, dizendo que a auto-estima é um ato de amor e de confiança consigo mesmo. Precisamos entender bem o que são as duas coisas juntas: o "amor próprio" e a "autoconfiança".

Faltando um destes ingredientes, não teremos uma auto-estima verdadeira.
Amar a si mesmo sem confiança nos seus atos ou pensamentos não resolve. Neste grupo temos as vítimas, aquelas pessoas que desejam algum "bem" para si, mas se lamentam por não terem condições de consegui-lo.
Confiança em seus projetos ou na sua capacidade de conquista sem o amor próprio também não traz felicidade. Neste último grupo, vemos a maioria das pessoas mergulhadas no estresse social, preocupadas em ter e poder, mas esquecendo de ser.
Infelizmente, trazemos uma tremenda dificuldade em cultivar estes dois ingredientes da auto-estima (o amor próprio e a autoconfiança), por eventos que se manifestaram desde a nossa criação. Quantas vezes, por medo do egoísmo, deixamos de lado nossa própria vontade para fazer tudo o que o outro queria. Só que auto-estima não tem nada a ver com o egoísmo. O egoísta é um ser vazio e solitário que precisa cada vez mais de coisas e pessoas que o preencham. Gente com boa auto-estima, apenas reconhece que, como qualquer ser humano, tem o direito valorizar e satisfazer suas vontades.
Mas, aprendemos a cultivar uma "personalidade ideal" e, portanto, tivemos que engolir nossos sentimentos. Em nome de Deus, da moral ou da boa educação, o importante era "fazer a coisa certa", mesmo que aquilo estivesse contrariando nossa natureza.
Pior ainda quando passamos a desejar um "corpo ideal". O ideal é apenas um sonho, uma projeção. Com isto, vivenciamos um estado profundo de angústia, pois comparamos nosso corpo com "modelos" e percebemos o quão diferente somos daqueles seres perfeitos e maravilhosos que deveríamos ter sido.
Na verdade, a cultura, a mídia e até mesmo nossos familiares contribuíram fortemente para gerar este quadro: "Está na moda quem usa tal roupa"; "Sem estudo você não é nada"; "Você será aceito somente se fizer isto e não aquilo...". É claro que, muitas vezes, isto aconteceu por ignorância, e não por maldade. Se tivessem acesso a determinadas informações, certamente as atitudes de nossos pais seriam diferentes.

O resgate da auto-estima acontece quando você decide que só precisa ser quem você é. Você pode confrontar as opiniões, e não ficar preso a um único ponto de vista. Mas descobre que, se no passado era importante ouvir e respeitar as ordens dos adultos, hoje você pode ser dono (ou dona) de seu próprio destino. Passa a respeitar mais suas próprias idéias, porque, automaticamente, está se ouvindo mais. É por esta razão que gente que tem uma boa auto-estima nunca se sente sozinha, pois solidão é a distância que se tem de si próprio.

Entenda que você não veio a este mundo para corresponder às expectativas dos outros, por mais que você os ame. Se fizer isto, nunca será o "bastante", nunca sentirá que conseguiu. Você não é propriedade de ninguém, assim como não precisa mais assumir "o outro" como propriedade sua. Assumindo que você não é responsável pela felicidade alheia, também não responsabilizará ninguém pela sua própria felicidade. Os outros estão em sua vida para fazer companhia e não para se aprisionarem emocionalmente.

Cultivando sua auto-estima, será uma pessoa mais consciente, mais responsável por seus atos. Sentirá que está mais íntegro e que é alguém valioso para si mesmo. Perceberá que tem todo o direito de honrar suas necessidades e vontades que considerar importantes. Aprenderá que merece ter atitudes de carinho consigo mesmo, como, por exemplo, preparar a mesa do café, mesmo quando está sozinho, ou permitir-se ir ao cinema, ainda que ninguém queira lhe fazer companhia. Você é a sua grande companhia, e, se entender isto, poderá iniciar uma das melhores fases de sua vida.

Por: *Chris Almeida (filósofo e psicoterapeuta)

Um meeegggaa... supeeerrrr... final de semana pra vcs meus queridos.
Bjks
Mitchel

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Maquiagem com seu Estilo



Existem milhões de sites falando sobre maquiagem, porém, o mais importante para estarmos em dia com a nossa maquiagem é conhecermos o nosso rosto e também a nós mesmos.

1) Em primeiro lugar devemos observar:
·         O formato do nosso rosto, para que seja aplicado o blush corretamente.
·         Cor da pele: para não usarmos um tom de maquiagem errado. Principalmente o corretivo que deve ser de um tom mais claro que a sua pele.
·         Tipo de pele: mixta, oleosa ou seca para que possamos usar o tipo de maquiagem correta.
·         Formato da nossa sobrancelha.

2) Agora vamos para o segundo passo:

·         Para qual ocasião você quer se maquiar?
·         Trabalho, festa, balada ou para um evento durante o dia?

É importante esse segundo passo para não ficarmos destoando do ambiente.


3) Agora o terceiro e último passo:

·         O que você quer destacar em seu rosto?
·         Olhos, boca ou bochechas?
·         Você é uma mulher moderna, fashion ou recatada?

Veja algumas dicas abaixo:











Para finalizar, escolha um spray fixador de maquiagem.
Existem várias marcas. Abaixo segue uma que já experimentei e tem um precinho bem legal.

Descubra o seu estilo e arrase em todos os momentos. Seja você mesma sabe!?
Por exemplo: uma mulher fashion e arrojada pode abusar um pouco do brilho até de dia e ela vai ficar bonita. Entendeu o que quero dizer?
Use o bom senso nas cores, abuse da criatividade, mas não esqueça: maquiagem carregada só fica bem em artistas em geral.
Uma super quarta-feira queridas.
Bjks
Mitchel

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Uma Escolha errada muda todo o curso de uma História




Amados,
essa semana encontrei uma amiga que terminou com o namorado porque descobriu várias mentiras dele.
Durante a conversa, ela começou a se questionar se não deveria dar uma nova chance a ele e começou a lembrar de atitudes e comportamentos dele com ela.
De repente ela largou essa:
- eu sei que ele gosta de mim, ele me ligava todos os dias, ele adora o meu filho, ele se preocupa com ele, traz sempre fitas de filmes infantis, quando estou cansada ele faz massagem em meus pés, quando ele está comigo não olha pra mulher nenhuma e por ai vai...
Fiquei refletindo sobre isso e me dei conta que assim como ela, outras mulheres pensam do mesmo jeito.
Então, eu lhe perguntei:

- Será que você não está se valorizando muito por baixo?

Alôôôuuuu!!
Carinho, atenção, cuidado e preocupação, é o mínimo que deve se ter com o parceiro.
Tratar com respeito é um dever na relação. Deve ser natural e não comparado como se fosse algo a mais que ele faz por você.
Ser amigo, estar disponível quando você precisa de ajuda, ter criatividade e procurar fazer coisas que aumentem a felicidade, o bem-estar, a auto-estiva e o amor próprio do outro, só está investindo na relação e mostrando que se importa e gosta de você.
O propósito de qualquer relacionamento amoroso não é suprir nenhuma carência nossa. Entrar num relacionamento para matar a solidão, ter um parceiro rico, ter sexo bom, tudo isso é apostar no fracasso da união. Não é o relacionamento que faz a pessoa sentir-se bem e sim, é o sentir-se bem que faz o bom relacionamento. Supra todas as suas carências amando a si mesma e haverá uma fila de parceiros para se relacionar com você.

Obedeça a sabedoria interior. Uma escolha errada muda todo o curso de uma história.

Vou ali meus amores... Ser feliz e volto na segunda.
Meeeegggaaa beijos pra vcs. E um super final de semana.

Bjks
Mitchel

Não é Amar


Queridos,

é muito bom compartilhar com vocês esses posts. Quero que saibam, que é com muito carinho e respeito que escolho, pesquiso e reflito sobre o assunto que vou postar.
Busco às vezes assuntos polêmicos porque como já falei antes “Polêmico - é a prática de provocar disputas e causar controvérsias em diversos campos discursivos. É importante salientar que polêmica não é sinônimo de brigas ou discórdia hostil. É algo necessário para o avanço do nosso conhecimento.

Não é amar:
Viver em função do outro, viver em uma confusão de pensamentos e sentimentos, viver triste, com receio do abandono, da mentira, aceitar migalhas, viver se rastejando, falar o que não sente, conceder indefinidamente, adiar sonhos, encolher, esconder-se, deixar-se morrer, anular-se.
Embora todos queiram experimentar o amor, buscamos parceiros que não têm condições de nos mostrar o caminho da felicidade a dois. Não sabem, não conhecem o que é amar. Ignoram como é bom ter alguém por perto para compartilhar, ser e estar.

Então, ao final, como é isso? Como é viver uma relação onde cada um dá o seu melhor?
Nessas relações o que há é RESPEITO, HARMONIA, DEDICAÇÃO, RESPONSABILIDADE. Há um cuidar da relação que os mantém fortes, unidos, íntegros, saudáveis. Um conviver que faz bem. Não tem soluços, não têm idas e vindas, rompimentos e voltas...
E então... O amor floresce. Cada um decide no dia-a-dia escolher a relação.

Como é viver dessa forma?
Dois inteiros, dois que escolheram investir no relacionamento – trocar.
É viver uma relação sem o medo eminente da perda, sem causar dor e sofrimento (já basta os que a vida nos proporciona para o nosso crescimento), sem qualquer função que nos tira do nosso foco, nossos sonhos, nossos planos de crescimento e desenvolvimento humano.

Um amor que, sim, terá altos e baixos, conquistas e derrotas. Mas que se sobressai a todos os percalços que a vida um dia traz.
Um amor que Permanece...

"AMOR" deve ser tranqüilo no que pode ser e quente no que deve ser...

Bjks
Mitchel.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Vida a Dois



Revendo meus arquivos, encontrei esse artigo que peguei na net há algum tempo, só não me recordo o site agora. Tem muito haver com o post de ontem porque fala de relacionamento a dois, então resolvi compartilhar com vocês. Com certeza quem escreveu, tem um grande entendimento da vida cotidiana dos casais.

Vida a dois, um passo no mínimo intrigante.
Passamos por vários momentos em nossas vidas. Momentos de mudanças. Nascemos, crescemos (e nessa fase de crescimento quantas mudanças!), passamos de simples coadjuvantes para atores principais nos tornando responsáveis por nossos atos. E aí, num belo dia, aparece uma pessoa que provoca um turbilhão de sensações em nós. Desejamos, então, muito intensamente, ter essa outra pessoa vivendo ao nosso lado.
Não conseguimos pensar em outra pessoa para fazer parte de uma família idealizada em nossos sonhos (mesmo que os sonhos comecem naquele instante).
Mas, como agir ao lado de alguém que mal conhecemos (mesmo que nossos sentimentos nos digam que conhecemos há muito tempo)?
Viver a dois é o mesmo que (a meu ver) passar a viver com alguém em uma comunidade de naturistas, onde a nudez não se revela tão somente na pele. A nudez acontece escancaradamente na alma também. Nos despimos completamente para a outra pessoa. Revelamos segredos, medos, o que nos faz triste e o que nos causa felicidade, entre outras coisas.
Viver a dois não deveria ser encarado como uma brincadeira de casa de bonecas. A responsabilidade não cabe apenas a uma pessoa. Os dois são responsáveis pelos seus atos e responsáveis um pelo outro. Os dois são cúmplices diante desse complicado mundo que é o nosso. Amor, respeito, fidelidade, companheirismo, ética... Não há um mensurador sobre o que é ou não mais importante. Mas, o alicerce, a base fundamental é o respeito. Se você não consegue ao menos sentir respeito por si próprio, como pode respeitar o espaço e a individualidade do outro? Não é possível. Sem respeito à vida a dois torna-se um martírio, insalubre, perigosa.
Os altos e baixos existe dentro do viver a dois. Nenhum dia é igual ao outro. Mas, o que faz a diferença é saber se comunicar. Se o respeito existir entre os dois, a calmaria chegará mais depressa e sem prejuízos para nenhum dos dois, num momento de tempestade.

Decida pelo Amor, por respeito, por fidelidade e companheirismo, pela ética, e SEJA FELIZ.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Traição tem perdão?



Estava lendo a revista Máxima de setembro/2010 quando me deparei com a matéria “Traição tem perdão?”, e fiquei refletindo bastante sobre esse assunto tão polêmico* e gostaria muito de compartilhar com vocês minhas considerações sobre o assunto.

*Polêmico - é a prática de provocar disputas e causar controvérsias em diversos campos discursivos. É importante salientar que polêmica não é sinônimo de brigas ou discórdia hostil. É mesmo frequente citar-se a polêmica como algo necessário para o avanço do conhecimento nestes campos.

A antropóloga Mirian Goldenberg (autora do livro “Por que Homens e Mulheres traem?”) fez uma pesquisa com 396 mulheres e só 5% perdoariam o parceiro numa situação de traição.

Segundo fontes do IBGE 71% das separações solicitadas por mulheres são motivadas por traição masculina.

Mirian também fez uma pesquisa com 1279 pessoas de classe média da cidade do Rio de janeiro, onde 60% dos homens e 47% das mulheres afirmaram já terem sido infiéis. O que chama a atenção para o abismo existente entre eles é que:
A maior queixa delas é a falta de intimidade emocional com os parceiros, a queixa deles é da falta de compreensão.
Talvez esse descompasso de desejos seja o ponto fundamental para se compreender a infidelidade e os atuais conflitos nas relações conjugais, alerta Miriam. Concluindo com isso que UMA COMUNICAÇÃO CLARA E O ENTENDIMENTO EM RELAÇÃO AO QUE O OUTRO DESEJA É ESSENCIAL PARA EVITAR CONFLITOS.

Por outro lado, o clube da Máxima fez uma enquete na revista com 29 mulheres e 49% delas perdoaram o parceiro. Abaixo, cito dois depoimentos (que me chamaram a atenção) de mulheres que vivenciaram na realidade essa situação.

1. Quando acontece uma traição a culpa é das duas partes. Fui traída e admito que não estava cuidando de meu relacionamento como deveria. Conversar honestamente e refletir sobre a situação me ajudou a perdoar e superar.

2. Tudo depende do quanto o casal está disposto a continuar junto. Já fui traída e isso me ajudou a fazer uma análise de como eu estava cuidando da minha relação. Aprendi que o diálogo é essencial nessa hora, inclusive para que o deslize não se repita.

Bom, como existem vários motivos que levam duas pessoas a se unirem e com isso variados modelos de casamentos fracassados, eu pretendo falar aqui sobre a traição de casais que escolheram casar, ficar juntos de livre e espontânea vontade.

No meu entendimento, o que leva um casal a se unir (a escolher ficar junto) são: o próprio gostar (amor), o carinho, o respeito, a consideração, o desejo (pela pessoa, por construir uma família, por ter uma companheira(o) e outros tantos motivos.

Concordo que a comunicação entre o casal é essencial na relação, assim como o respeito e a CONSIDERAÇÃO (Significado de consideração: Respeito, estima, valimento, importância que se dá a alguém).
Portanto me questiono:

• Onde estão o respeito e a consideração num momento de crise?
• Onde ficam o valor e a importância que o outro tinha na sua vida, a ponto de te fazer querer estar com essa pessoa todo o tempo? Quais eram esses valores?
• Porque é mais fácil trair a pessoa que se “ama”, do quê chamar para uma conversa?
• Porque não cair fora da relação se não está bom pra você?
• Será que não existe uma outra forma de fazer a pessoa enxergar como está cuidando da sua relação?

Fiquei chocada com a primeira declaração acima quando ela diz “quando acontece uma traição a culpa é das duas partes”. Concordo que é culpa dos dois quando um casamento não está indo bem, mas da traição a culpa é do traidor.

Fiquei mas chocada ainda com a segunda declaração, quando ela diz “inclusive para que o deslize não se repita”. O que é isso!? Essa possibilidade existe porque? Porque você algum dia não vai fazer o que ele quer, ou esquecer de tratá-lo de alguma forma e ele vai buscar a forma mais fácil e satisfátoria e porque não dizer prazerosa pra ele, ao invés de te abrir o seu olho!?

A iniciativa de conversar, pode ser mais da mulher do que do homem, mas isso não aumenta a responsabilidade da mulher sobre a relação. A responsabilidade é dos dois em igual importância. Tanto o homem quanto a mulher, quando querem muito algo em sua vida, seja de ordem profissional, pessoal, emocional, descobrem um jeito de fazer, de ter, de conseguir, portanto, essa história que homem não chama pra conversar é furada.
Você trai a confiança do outro, você trai seus desejos e os de sua parceira. Você destrói a estima, o valor, a importância que um tinha pelo outro.

Isso vale para as mulheres também. Segundo Mirian Goldenberg, enquanto a maioria dos homens justificam a traição como uma suposta “essência masculina”, as mulheres infiéis sempre culpam os maridos ou namorados pelo comportamento ruim. Elas dizem trair por estarem insatisfeitas com o parceiro, por falta de amor, de romance ou atenção. Há também um número significativo de mulheres que traem porque não se sentem mais desejadas.

Ao longo de um convívio íntimo com uma pessoa, surgirão diferenças de todo tipo, pontos de vista diferentes e hábitos incompatíveis. Somos seres humanos únicos e portanto diferentes. O que falta nas pessoas, seja homem ou mulher, é encarar a relação com maturidade, crescendo individualmente em alguns aspectos e crescendo juntos em outro. Casais que conseguem viver dessa forma, evoluem, e sob essa condição seu amor se renova e se revitaliza.

Somos seres humanos imperfeitos e portanto em evolução. Temos livre arbitrio para tomar decisões e fazer escolhas em nossas vidas. Nunca se culpe pelo que o outro fez. Se quer aceitar uma traição é uma escolha sua. Perdoar é um ato de grandeza. Se você vai ser realmente feliz com a sua escolha, siga em frente.

Lembre-se: A vida continua sempre se aprimorando. Busque a si mesmo, se amando, se considerando, caindo e levantando, sem nunca deixar de acreditar na Vida e no Amor. E o mais importante: SEJA FELIZ!!!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A Juventude X Amor e Prazer



Gente, tenho uma filha adolescente se tornando mulher, portanto li esse artigo e achei interessante compartilhar com vocês

A juventude, pressionada por um ambiente hedonista*, grita silenciosamente por orientação.

"Acredito que a maior tragédia do homem tenha ocorrido quando ele separou o amor do sexo. A partir de então, o ser humano passou a fazer muito sexo e nenhum amor. Não passamos do desejo, eis a verdade. Todo desejo, como tal se frustra com a posse. A única coisa que dura além da vida e da morte é o amor".
Nelson Rodriguez

Esta observação de Nelson Rodrigues traz à tona a necessidade, cada vez maior nos dias de hoje, de dizer não ao sexo descartável. Vários depoimentos de jovens confirmam este fato:

“O sexo hoje em dia está radicalmente banalizado. As pessoas esquecem de construir um relacionamento antes de trazer o sexo a ele", dizia recentemente um jovem a um conhecido jornal.

Passamos abruptamente de uma educação onde o sexo era tabu e a ignorância a respeito da sexualidade humana considerada uma manifestação de integridade moral, para uma outra onde tudo é “normal”, correto e permitido. O sexo passou a ser uma matéria de ensino esquecendo-se de que “não se ensina a fazer sexo assim como não se ensina a amar”.
O advento da AIDS colaborou de certa forma para que os educadores, preocupados com a disseminação da doença particularmente entre os jovens, procurassem uma maneira de impedir o avanço do mal.

Mundialmente foi adotada uma série de medidas: campanhas preventivas, propaganda insistente no uso de preservativos, educação sexual nas escolas — que, no Brasil, é obrigatória para escolas de ensino fundamental e médio. No ser humano — racional —, que deve ter seus instintos sob o domínio da razão, o sexo deve ser manifestação de amor, verdadeiro amor.
E amor exige conhecimento, convivência. Necessita de tempo. A juventude à deriva, sem distinguir claramente o certo e o errado, pressionada por todos os lados pelo ambiente hedonista de busca do prazer pelo prazer, precisa urgentemente de orientação. Mas surge uma questão: estaremos, pais e mestres, aptos a orientar? Estamos de fato conscientes de que o ser humano é racional, isto é, tem capacidade de escolha e pode, portanto, dominar seus instintos? É dessa conscientização que depende a orientação certa e segura.

Para citar somente um exemplo, o uso de preservativos é apregoado como sendo proteção absoluta contra a disseminação da AIDS. No entanto, é preciso esclarecer a juventude (e os adultos também!) que, se o preservativo falha na prevenção da gravidez, também pode falhar em relação ao risco de contrair AIDS, pois a transmissão se faz da mesma maneira.
É preciso educar nossos filhos para uma vida moralmente sadia, e isto inclui um conhecimento adequado da sexualidade humana. E essa educação começa em casa. Os pais, porque amam seus filhos e querem sua felicidade, são as pessoas mais capacitadas para fornecer a eles os elementos básicos para o desenvolvimento saudável da sexualidade. A escola poderá ser um bom complemento. Bom complemento se bem orientada. Não podemos compactuar com toda essa deformação que presenciamos à nossa volta através de jornais, revistas, novelas, propagandas e programas de televisão. Desvios comportamentais, taras e doenças devem ser tratados em consultórios e não ser veiculados como algo necessário num relacionamento a dois.

A imprensa deve repensar o seu trabalho e, numa atitude adulta, percebendo que ninguém quer a volta da censura, mas informação e lazer sadios, redimensionar qualitativamente aquilo que apresenta ao público.
A família, célula de uma sociedade bem estruturada, deve ser valorizada, amparada, respeitada no seu direito de dar aos filhos uma educação que lhes possibilite ser homens e mulheres de valor, cidadãos íntegros e retos. Os jovens gritam silenciosos que necessitam da nossa firmeza de conceitos morais, de nossa coerência de vida, da nossa luta por criar uma sociedade onde possamos viver como seres humanos racionais, no sentido exato do termo. Para isso vale a pena adquirir conhecimentos sólidos e verdadeiros que, como numa explosão radioativa, deixarão entre nossos adolescentes partículas que os ajudem a imprimir um ritmo adequado às suas vidas.

Dra. Aneliese Alckmin Herrmann é Prof. Adjunta do Departamento de Pediatria da Unifesp — Escola Paulista de Medicina e membro do Departamento Científico do Instituto de Estudos Mulher, Criança e Sociedade.

*O hedonismo (do grego hedonê, "prazer", "vontade") é uma teoria ou doutrina filosófico-moral que afirma ser o prazer - o supremo bem da vida humana.

Bjks e bom feriado.

domingo, 5 de setembro de 2010

Eternamente seu, Eternamente minha, Eternamente nossos.

Sex and the City (O Sexo e a Cidadel), é uma série popular americana, baseada num livro da escritora Candance Bushnell que tem o mesmo nome do filme. Foi originalmente transmitida pela cadeia HBO, de 1998 até 2004. Passada na cidade de Nova Iorque, a série focava nas relações íntimas de quatro mulheres que eram amigas, três das quais nos trinta, e uma, Samantha, nos seus quarenta. Uma série que focou muitas vezes assuntos relevantes como o estatuto da mulher na sociedade atual. Posteriormente sendo lançado os filmes. Sex and the City 1 e Sex and the City 2.

Premissa:


Carrie Bradshaw (atriz principal) trabalha como colunista de um jornal onde relata histórias sobre relações interpessoais e sexuais. Carrie vive em Manhattan, Nova Iorque.


Conta sempre com as suas três amigas: Charlotte York, que trabalha numa galeria de artes, e é a romântica e sensível que busca sempre longos relacionamentos, embora nunca consiga ter um; Samantha Jones, a típica loura fatal que trabalha como relações-públicas e está sempre atrás de um bom partido sem compromissos; e Miranda Hobbes, advogada, racional, e a mais prática de suas amigas, sempre sabendo o que quer da vida (ou quase isso).
Carrie se envolve seriamente com alguns homens que a marcam decisivamente para o futuro, mas parece sempre ficar presa a sua paixão John ou Sr. Big (Chris Noth) em uma relação complexa e irresistível para os dois.
Bom meninas, no primeiro filme Sex And The City I, Carrie está lendo um livro deitada na cama com Big e lê para ele um dos poemas do livro "Cartas de amor de homens notáveis".

Apartir disso, eles passam a usar uma frase desse poema cotidianamente um para o outro, inclusive no segundo filme também. Como achei muito bonito, estou compartilhando com vocês.
Na verdade, o poema faz parte de uma carta de amor de Beethoven, encontrada após sua morte, a uma mulher que ele chamava "Minha Amada Imortal":

"Manhã de 6 de julho
Meu anjo, meu tudo, meu eu... Por que esta profunda tristeza quando é a necessidade quem fala? Pode consistir nosso amor em outra coisa que em sacrifícios, em exigências de tudo e nada? Esqueceu de que você não é inteiramente minha e de que eu não sou inteiramente seu? Oh, Deus!
Contempla a maravilhosa natureza e tranqüiliza seu ânimo na certeza do inevitável. O amor exige tudo e com pleno direito: eu para com você e você para comigo. No entanto, duvida tão facilmente que eu tenho que viver para mim e para você. Se estivéssemos completamente unidos, nem você nem eu estaríamos nos sentindo tão desolados. Minha viagem foi horrível...
Alegre-se, você é o meu mais fiel e único tesouro, meu tudo como eu para você. No mais, que aconteça o que tenha que acontecer e deva acontecer; os deuses saberão o que fazer...
Tarde de segunda-feira. Você sofre. Ah! onde estou, também ali está você comigo. Tudo farei para que possamos viver um ao lado do outro. Que vida!!! Assim!!! Sem você... perseguido pela bondade de algumas pessoas, que não quero receber porque não as mereço. Me dói a humildade do homem diante do homem. E quando me acho em sintonia com o Universo, o que sou e quem é aquele a quem chamam o Todo Poderoso? E sem dúvida... aí então aparece de novo o divino do homem. Choro ao pensar que
provavelmente não receberá minha primeira carta antes de sábado. Tanto como você me ama, muito mais a amo!... Boa noite! Devo ir dormir. Oh, Deus! Tão perto! Tão longe! Não é nosso amor uma verdadeira morada do céu? E tão sólido como as muralhas do céu?!

7 de julho
Bom dia! Todavia, na cama se multiplicam meus pensamentos em você, minha amada imortal; tão alegres como tristes, esperando ver se o destino quer ouvir-nos. Viver sozinho me é possível, ou inteiramente com você, ou completamente sem você. Quero ir bem longe até que possa voar para os seus braços e sentir-me num lugar que seja só nosso, podendo enviar minha alma ao reino dos espíritos envolta em você. Você concordará comigo, tanto mais conhecendo minha fidelidade, e que nunca nenhuma outra possuirá meu coração; nunca, nunca...
Oh, Deus! Por que viver separados, quando se ama assim? Minha vida, o mesmo aqui que em Viena: sentindo-me só, angustiado. Você, amor, me tem feito ao mesmo tempo o ser mais feliz e o mais infeliz. Há muito tempo de que preciso de uma certeza em minha vida. Não seria uma definição quanto ao nosso relacionamento?... Anjo, acabo de saber que o correio sai todos os dias. E isso me faz pensar que você receberá a carta em seguida.
Fique tranqüila. Contemplando com confiança nossa vida alcançaremos nosso objetivo de vivermos juntos. Fique tranqüila, queira-me. Hoje e sempre, quanta ansiedade e quantas lágrimas pensando em você... Em você... Em você, minha vida... Meu tudo! Adeus... queira-me sempre! Não duvide jamais do fiel coração de seu enamorado Ludwig.

Eternamente seu, eternamente minha, eternamente nossos."

No filme ela lê esse final.



"Cartas de amor de homens notáveis" (Ed. Best Seller), da americana Úrsula Doyle. Traz 44 cartas escritas por alguns dos homens mais influentes da história, como Henrique VIII, Alexandre Pope, Napoleão, Mozart, Beethoven, Oscar Wild, Gustave Flaubert e Vitor Hugo.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Porque o casamento continua a valer a pena?



Quando estava conduzindo as pesquisas para seu novo livro “A Comprometida” (que, mal a objetiva já lançou no Brasil, já apareceu na lista dos mais vendidos, atrás apenas do seu outro livro – Comer, Rezar e Amar), Liz Gilbert se chocou ao notar que muitas mulheres só descobriam quem era de fato seu parceiro bem depois do casamento. Ela propõe uma regra básica para eles e elas: pesquisem tudo sobre o futuro parceiro e não tenham medo de submetê-lo a sabatinas antes de subir ao altar. Procurem saber como é sua relação com os pais, com os amigos, colegas de trabalho, o que falam dele, como trata as pessoas em geral e também como trata os animais.
Liz, aponta que uma das causas das crises conjugais é o fato de as mulheres terem expectativas desproporcionais em relação a seus parceiros.
Nos anos 20 quando se perguntava as mulheres o que se esperavam de um marido, elas listavam traços nobres de caráter: honestidade, confiabilidade, lealdade, decência, gentileza. Com o passar do tempo, essas expectativas foram se tornando muito idealizadas. Nos anos 50, uma garota da mesma faixa já diria: quero casar com alguém que eu ame. Desde então, a escolha passou a ser pautada pela expectativa de uma experiência romântica intensa. Hoje, as mulheres querem nada menos do que um homem que as “inspire”. Ou seja, exigem que seu pobre marido viva no auge do magnetismo e posa fazê-las sentir-se o máximo o tempo todo.
Não temos que esperar que alguém nos inspire. A inspiração deve ser brotada em nós pelo amor a vida, a nós mesmos. Não podemos dar ao outro o poder da nossa felicidade e do nosso estado de espírito.
Nós mulheres nunca tivemos tanta liberdade e controle sobre o que queremos de um casamento, mas ao mesmo tempo estamos inseguras e confusas.
Se olharmos para o que ocorreu com as mulheres nas últimas décadas, isso fará sentido. Creio que ainda é muito cedo para sabermos lidar com essa experiência nova e fascinante que nossas antepassadas (avó, mãe, tias) não tiveram a chance de viver. Não temos séculos e séculos de modelos, mulheres que nos mostrem como viver um casamento moderno feliz. Sim, moderno porque hoje temos autonomia sexual e emocional, educação e o próprio dinheiro. Toda mulher nascida nos últimos 75 anos pode se considerar uma cobaia nesse experimento inédito que é o casamento da atualidade. Estamos aprendendo como se faz.
Mais ainda assim, é mais fácil para nós do que no tempo dos casamentos arranjados. Aquele foi um tempo em que a mulher não tinha controle sobre seu destino, quanto mais direito a opinar, escolher, até mesmo para falar tinha que ter permissão do marido. A autora, conta a história de sua avó que está com 97 anos: ela não teve um dia de paz na vida, pois se casou com um homem difícil e se desdobrou para criar sete filhos em um ambiente rural pobre. Não dá para sentir nostalgia de um tempo em que a mulher era tratada como posse.
Significado da palavra posse no dicionário português: Estado de quem possui uma coisa, de quem a detém como sua ou tem gozo dela.
Felizmente, depois de séculos de uniões arranjadas e de entrega total e compulsória ao marido e aos filhos, as mulheres hoje, no mundo civilizado, não são mais obrigadas a se casar nem, muito menos, a viverem um casamento infeliz até os seus últimos dias.
As pessoas deixaram de casar-se por conveniência ou por imposição da família e passaram a buscar-se umas as outras movidas pela atração e pela afinidade.
Para Liz é possível conciliar diferentes comportamentos e pontos de vista em um casamento.
Temos dentro de nós algo que os psicólogos chamam de necessidades essências. São as demandas e expectativas inegociáveis – e que, quando abordadas em uma relação, só trazem frustração.
Conforme ainda, destaca a matéria que estatísticas canadenses indicam que homens e mulheres casados vivem mais anos do que os solteiros. Estudos sugerem ainda que um bom casamento diminui os riscos de câncer, artrite, ataques cardíacos e até de demência.

Ninguém pode ter todas as necessidades preenchidas por outra pessoa. Mas cada pessoa tem duas ou três coisas de que não dá para abrir mão, e o parceiro ideal é aquele que as respeita e preenche.
Cada casal tem que encontrar seu equilíbrio – e isso “as vezes” exige idas e vindas. Se há uma verdade sobre o casamento, é que não se trata de um arranjo simples. Um ser humano sozinho já é bem complicado, imagine dois juntos.
O casamento hoje é genuinamente um pacto e um compromisso entre iguais. E, quando os parceiros estão de comum acordo, pode oferecer muito mais satisfação – e até mais saúde e paixão, desde que seja bom, acima de tudo. Só a cumplicidade a dois pode trazer amor e sensação de completude.
Então amigas e amigos, para vocês - Porque o casamento continua a valer a pena?

(Resumo da matéria CASAMENTO - Veja - Edição 2179 de 25/08/2010)

Bjks
Mitchel