Olááá! Hoje é

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Férias





Queridas leitoras, amigas e amigos,
Apartir de hoje estou de férias do trabalho... Uffaaaa!! Finalmente... Nem acredito! Retornarei dia 03 de janeiro de 2011. Estarei viajando uma parte desse tempo, portanto, não poderei me dedicar ao Blog como gostaria, mas farei o possível para postar matérias interessantes sempre que der.
Neste momento da minha vida me encontro muito feliz, por um motivo bem especial e pra compartilhar essa felicidade, falarei desse sentimento...

A felicidade é uma gama de emoções ou sentimentos que vai desde o contentamento ou satisfação até a alegria intensa ou júbilo. A felicidade tem ainda o significado de bem-estar ou paz interna.
Existem diferentes abordagens ao estudo da felicidade e das suas causas, abordagens estas que têm sido usadas pela filosofia, pelas religiões e pela psicologia. O homem sempre procurou a felicidade. Os filósofos e os religiosos sempre se dedicaram a encontrar as suas causas e em definir que tipo de comportamento ou estilo de vida aumentaria o nosso nível de felicidade. Os filósofos veem a felicidade como bem-estar ou qualidade de vida e não simplesmente como uma emoção.
Para as emoções associadas à felicidade, os filósofos preferem utilizar a palavra prazer.

Bom, eu prefiro utilizar para a felicidade, a palavra Amor.
Quando estamos nos amando, amando a vida, o universo, amando alguém, simplesmente ficamos radiante, e atraimos mais amor, felicidade e contentamento para nossas vidas.
Todos carecem de amor e querem reconhecer esse sentimento em si e nos outros, não importando idade ou sexo. O amor é vital para nossas vidas como o ar, e é notoriamente reconhecido que sem amor a criatura não sobrevive conquanto o amor equilibra e traz a paz de espírito quando é necessário.


"A felicidade não depende do que nos falta, mas do bom uso que fazemos do que temos." (Thomas Hardy).

Bjks
Mitchel

 

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Ser ou Ter




O nosso corre-corre não nos deixa parar para perceber se o que já temos não é o suficiente para nossa vida.
Preocupamo-nos tanto em TER.
Ter isto, ter aquilo, comprar isto, comprar aquilo...
Os anos passam, e quando nos damos conta, esquecemos do mais importante:
VIVER E SER FELIZ.
Às vezes, para ser feliz, não precisamos de TER tanto.
O mais importante na vida é SER.
Esse ser, tão esquecido, muitas vezes não é difícil de se realizar.
As pessoas precisam parar de correr atrás do TER e começar a correr atrás do SER: SER AMADO, SER GENTE...
Tenho a certeza de que , quando SOMOS, somos muito mais felizes do que quando TEMOS.
O SER leva uma vida toda para se conseguir, e o TER, muitas vezes consegue-se logo.
Só que o SER não acaba e nem se perde, mas o TER perde-se com facilidade.

O SER, uma vez conseguido, é eterno e o TER é passageiro e, mesmo que dure muito tempo, pode não trazer a FELICIDADE.
Tente SER e não TER e sentirá uma felicidade sem preço.
Deixe de pensar no que fez e no que não fez nestes anos…

Tente o mais importante:
SER FELIZ!


Uma linda quarta-feira meus queridos!

Bjks
Mitchel

domingo, 21 de novembro de 2010

Coragem pra Viver e ser Feliz




Celular, mensagens de texto, e-mails, salas de bate-papo, sites de relacionamento – os meios de comunicação nunca foram tão variados e acessíveis como hoje. 

Mas, neste mundo interligado, muitas pessoas – jovens e idosos – sentem-se solitários. Por quê?

O ritmo de vida frenético imposto pela sociedade moderna não contribui para uma interação humana significativa.
A solidão se tornou um mal social que pode levar a promiscuidade, gula, alcoolismo, uso de drogas e até mesmo suicídio. Por isso, é importante identificar as causas da solidão. Esse é o primeiro passo para lidar com esse problema.

Do que as pessoas têm medo?
De amar ou de não ser amado?
De ser feliz ou de sofrer?
De se decepcionar ou não ser aceito?
De ser criticado ou humilhado?
E aqui voltamos ao mesmo assunto da postagem de 14/11, O MEDO.
O medo está isolando as pessoas.
O medo de perder nos leva a entender que as coisas só valem à pena se forem eternas, permanentes, duráveis. Uma relação só tem valor, se tivermos garantia de que sempre será assim como é, ou como se quer.
E como tudo é transitório, como tudo é mutável, como tudo é passível de transformação, o medo de perder nos leva a um estado contínuo de sofrimento.
A insegurança é, provavelmente, a pior das doenças da humanidade. Não estou falando daquele medo saudá­vel, que nos leva a ser cautelosos e a proteger a nós mes­mos. Mas, sim, daquele medo irracional que muitas vezes fica tão grande que nos paralisa.
O medo de amar e não ser amado, intensificado por fantasias derrotistas, impede que você se lance à mais bela de todas as aventuras do ser humano: viver um grande amor.
O medo de não suportar as dificuldades à sua frente o impede de viver plenamente a vida.
Tenho certeza de que sua vida pode ser recheada de alegrias. Acordar pela manhã pode ser sempre uma bênção e deitar para dormir pode ser um momento de gratidão pelo dia vivido. As derrotas não devem ser transformadas em dramas, pois ocorrerão na vida de todas as pessoas que querem fazer seus sonhos acontecerem.
Como disse o ex-presidente norte-americano Franklin Roosevelt: "A única coisa que devemos temer é o próprio medo".
Pessoas!!! Please!!!
Encontrem uma forma de combater o medo em suas vidas.
Deve ser doloroso demais viver com medo de morrer e viver com medo de VIVER.
Lembrem-se sempre: o destino decide quem passa por nossa vida, mas nós sempre podemos escolher quem que­remos manter por perto.

Ter FÉ é acreditar em Deus.
Ter CONFIANÇA é acreditar no outro.
Ter AUTOCONFIANÇA é acreditar em si mesmo.
O medo não pode ser um estilo de vida
A escolha é sempre sua.

Um grande abraço, cheio de energia positiva, paz e coragem... Coragem pra VIVER e SER FELIZ.

Bjks
Mitchel

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O que te motiva: Amor ou Carência?



Você está vivendo um relacionamento cheio de conflitos, estresse e dúvidas? Sente-se ansioso e tenso, por mais que quisesse sentir paixão, alegria e empolgação? Tem medo de que tudo acabe sem entender o que está fazendo de errado? Talvez você esteja carente...

Não sei se já aconteceu com você, mas sei de muitas pessoas que entram num relacionamento ou investem pesadamente na possibilidade de começar um, acreditando piamente que o que sentem é amor! No entanto, suas atitudes e suas cobranças são, em geral, carregadas muito mais de carência do que de qualquer outro sentimento.
Ansiosas, impacientes e até agressivas, vão conduzindo o que deveria ser um encontro de amor, como se fosse um grande problema a ser resolvido. Passam o dia sentindo-se tensas, olhando o celular por várias e várias vezes, monitorando os passos do outro e tentando obter atenção a qualquer preço!
Se essas pessoas parassem por um tempo, refletissem sobre seus verdadeiros sentimentos e desejos, questionassem-se sobre o que querem para suas vidas, o que estão buscando num relacionamento de amor, descobririam – surpresas! – que estão num ritmo equivocado, descompassado, desequilibrado...
Morrendo de medo de que o outro não corresponda sua necessidade de carinho, afeto e presença, terminam atropelando a ordem natural dos acontecimentos e se precipitando em sensações, julgamentos e conclusões. Sofrem por antecipação e, muitas vezes, terminam atraindo exatamente o desfecho que tanto temiam justamente por não conseguirem dar tempo ao tempo!
O outro se cansa, perde o interesse, já não consegue enxergar o encanto visto inicialmente e tudo vai por água abaixo. E a impressão que fica é de que o ansioso e carente tinha toda razão de estar assim, tão aflito... Será? Será mesmo que não havia chances ou será que a pressa e o medo de ficar sozinho de novo fizeram com que o verdadeiro sentido do enamoramento se perdesse?

Pra saber se o que você está vivendo é uma promessa de amor, observe: é um encontro criativo, produtivo e leve? É gostoso, empolgante e comporta planos para o futuro? Tem espaço nesta relação para que você se coloque, demonstre o que quer e fale sobre seus sentimentos? Você consegue ser você mesmo ou precisa pensar antes de fazer ou falar qualquer coisa? Ao final de cada encontro, você se sente acolhido e feliz ou preocupado, inseguro e com a sensação de que vai acabar a qualquer momento?

Se suas respostas apontarem para uma relação cheia de conflitos, pesada, tensa e que te deixa bem mais estressado do que sorrindo à toa – que é como ficam os apaixonados – a tendência será justificar todos esses sentimentos e características a partir do comportamento do outro, seja pelo que ele faz ou pelo que deixa de fazer. Seja pelo que diz ou pelo que deixa de dizer...
No entanto, para que haja qualquer possibilidade de felicidade e sucesso nessa ou em outras relações que você vier a viver, é absolutamente preciso que você se reconheça no meio disso tudo! É muito importante que você comece a refletir sobre o que tem feito, o que tem dito e, principalmente, quais as crenças que tem alimentado sobre amor, felicidade e relacionamento.
Ninguém vive uma situação por acaso. Todos nós atraímos pessoas e circunstâncias específicas, que correspondem com a energia que temos alimentado, com as expectativas que temos reafirmado e com a forma como temos lidado com a gente mesma. Se você tem vivido relações insatisfatórias, provavelmente elas estão alinhadas com a forma insatisfatória que você tem vivido sua vida!
E sendo assim, está na hora de rever sua auto estima, sua alegria e sua fé. Está na hora de rever o quanto você realmente se sente merecedor de ser amado e capaz de amar. Porque quem acredita de verdade que merece, age como quem merece e atrai quem está disposto a amar e também ser amado. É uma questão de encaixe, de lei da atração, de lógica do Universo, de perfeição da natureza... É uma questão, sobretudo, de ação e reação.
Claro que isso não significa que uma relação deve acabar quando começar a passar por crises e dificuldades. Afinal, todos nós temos muito a crescer enquanto nos relacionamos. Mas, veja: se você sabe o que quer e sabe o que precisa fazer para conquistar o que quer, suas atitudes e escolhas, mesmo durante uma crise, serão coerentes. E isso vai fazer com que a crise sirva para amadurecer e melhorar e não para afundar mais e mais você e o outro numa lamentável carência.
Enfim, se o que te move é amor, certamente você está consciente, sabe para onde está indo e porque tem investido no relacionamento que está vivendo. No entanto, se o que te move é carência, provavelmente você tem se sentido perdido, confuso, triste, ansioso e vazio. Agora, resta-nos torcer para que você se sinta completamente desiludido. Porque isso significa que terá saído da grande ilusão de que isso possa ser amor. Não é!
A partir de então, poderá reescrever suas crenças, começar a reconhecer quem você é e o quanto tem para dar e receber, e daí sim atrair uma história de amor de gente grande...

Por Rosana Braga - jornalista, palestrante, consultora de relacionamentos e autora dos livros FAÇA O AMOR VALER A PENA e O PODER DA GENTILEZA, entre outros.

Um excelente dia para todos nós.
Bjks

Mitchel

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Decidir ser Feliz




Tudo é uma decisão sua, portanto meus queridos tenham CORAGEM de viver no que acreditam.

Joguem fora todos os números não essenciais para sua sobrevivência. Isso inclui idade, peso e altura.
Freqüentemente dê preferência a seus amigos alegres. Os de mau humor, puxam você para baixo.
Continue aprendendo. Aprenda mais sobre computador, artesanato, jardinagem, qualquer coisa.
Curta coisas simples.
Ria sempre, muito. Ria até perder o fôlego.
Lágrimas acontecem. Agüente, sofra e siga em frente.
A única pessoa que acompanha você a vida toda é você mesmo.
Esteja vivo, enquanto você viver.
Esteja sempre rodeado daquilo que você gosta: família, animais, lembranças, músicas, plantas, um hobby, o que for.
Aproveite sua saúde.
Não faça viagens de remorsos. Viaje sabe para onde?!
Para a cidade vizinha, para um país estrangeiro, viaje nos seu próprios sonhos... Mas não faça viagens ao passado.
Diga a quem você ama, que você realmente os ama, em todas as oportunidades.

E se lembre sempre que:

A vida não é medida pelo número de vezes que você respirou...

E sim, pelos momentos em que você perdeu o fôlego... De tanto rir... De surpresa... De êxtase... De felicidade...


Autor Desconhecido.

Um belo inicio de semana para todos nós.

Bjks
Mitchel

domingo, 14 de novembro de 2010

Medo da Vida





Meus queridos!
Hoje, conversava com Vinícius um amigo, pelo MSN e falávamos sobre uma matéria postada aqui mesmo em meu blog em 24/08/2010 e o título é “Uma História de Amor Real”.
Enquanto falávamos, me deu uma vontade enorme de escrever sobre o assunto principal que determinou o desenlace dessa história de amor – O medo, o medo da vida.
Ah... E pra todas aquelas pessoas que se comoveram com a história, que deixaram comentários e também pra todas as pessoas que me mandaram muitos e-mails perguntando sobre a decisão da minha amiga Pernambucana, eu comunico que a escolha dela foi continuar com a sua relação estável e se casar com ele.

O medo estar presente, é uma constante na vida da maioria das pessoas.
Quantas coisas você deixa de fazer por conta de seus medos?
Você deixa de fazer por não confiar em si. Então, muitas pessoas levam uma vida cheia de limitações, frustrações e angústias; enfim, vivem uma vida que não gostariam de estar vivendo.
É o medo de achar que não vai conseguir algo e aí fica realimentando fantasias, crenças de que não é capaz, de que não consegue.
Tudo é reforçado em função de suas experiências passadas, principalmente quando algo não sai como você quis.
Você fica apegado às experiências negativas de seu passado e, quando algo sai errado, de repente as mesmas sensações e emoções do passado vem à tona.
Portanto, através de nossas crenças o destino de cada um é cumprido, as vidas são vividas, as profissões são escolhidas e os relacionamentos são feitos.
Por exemplo, você vive se lamentando porque seu casamento não deu certo, e aí quando conhece e se interessa por alguém, fica com medo de abrir o seu coração para esse novo amor, porque você diz para si mesmo(a):
Você vai sofrer novamente, só você sabe o quanto já sofreu.
Desta forma, por conta do medo de sofrer - caso venha a se envolver novamente - você acaba não dando chance de ser feliz. Isso se chama sabotagem e, o pior, é que você não percebe que está fazendo isso. Daí a importância de, em 1º lugar, tomar consciência de onde vem seus medos e, num segundo momento, se desapegar e se libertar de seu passado.
Neste sentido, você fica cheio de mágoas, de ressentimentos, preso ao passado ou antecipando o futuro.
Desapegar-se do passado, significa se libertar dos pensamentos e sentimentos negativos que você experimentou no passado.
Você fica com medo de viver, querendo controlar tudo para não sofrer e acaba ficando rígido, inflexível. Aí sua vida acaba não fluindo, porque você não está aberto a um novo relacionamento.

Diz um ditado hindu que Deus não dá aquilo que você pede, mas o que você acredita.

Não adianta pedir a Deus de joelhos para que ele atenda seus pedidos se não acredita ou não se julga merecedor daquilo que você pede.
Você pede e, ao invés de se entregar e confiar, fica duvidando, sofrendo por antecipação, perdendo noites de sono, vivendo algo que nem sabe se vai acontecer.
É necessário, portanto, que você se liberte de suas crenças limitadoras, de seus medos, suas fobias e bloqueios.

Bom feriado!

Bjks
Mitchel

sábado, 13 de novembro de 2010

Relacionar-se é um Grande Desafio



Oi amadas e amados,
ao longo dos meus 36 anos eu aprendi e venho aprendendo que nem sempre a melhor coisa é aquilo que a gente acha que é bom pra gente, muitas vezes olhar para o lado e observar de uma forma diferente aquilo que até então você não enxergava, pode ser gratificante. O olhar no qual me refiro é o olhar do coração. Olhar as pessoas de uma forma mais humana e perceber o sentido da vida e o quanto temos ainda para viver.

Todos sonhamos com relações plenas. Entretanto, o medo de relacionar-se, de entregar-se por inteiro aos sentimentos é uma das dificuldades mais comuns nos dias em que vivemos.

Por que para tantas pessoas vivenciar uma relação afetiva é motivo de medo e angústia?

Inúmeros fatores, conscientes e inconscientes, atuam para determinar estes sentimentos.

O mestre indiano Osho falou sobre o tema com grande sabedoria. Vejamos como ele respondeu à pergunta de um discípulo: Por que é tão difícil relacionar-se?

“Porque você não nasceu, é apenas uma potencialidade. Você ainda não está preenchido e só duas pessoas preenchidas podem se relacionar. Relacionar-se é uma das melhores coisas da vida: relacionar-se significa compartilhar. Mas antes de poder compartilhar, você tem que ter. E antes de poder amar, você deve estar cheio de amor, transbordando de amor.

Duas sementes não podem se relacionar, elas estão fechadas. Duas flores podem se relacionar, elas estão abertas, podem mandar suas fragrâncias uma à outra, podem dançar no mesmo sol e no mesmo vento, podem dialogar, podem sussurrar. Mas isso não é possível para duas sementes.

As sementes são totalmente fechadas, sem janelas, como podem se relacionar?
E esta é a situação. O homem nasceu como uma semente. Ele pode se tornar flor ou não. Tudo depende de você, do que faz consigo mesmo; tudo depende de você crescer ou não. A escolha é sua – ela tem que ser encarada a cada momento; você está na encruzilhada a cada momento.

 Milhões de pessoas decidem não crescer. Elas permanecem sementes, permanecem potencialidades, nunca se tornam realidade. Elas não sabem o que é auto-realização, não sabem o que é autoconcretização, não sabem nada do ser. Vazias elas vivem e totalmente vazias elas morrem. Como podem se relacionar?
Sim, há um tipo de relacionamento, mas não o de se relacionar, é o de possuir: o marido possui a esposa, a esposa possui o marido, os pais possuem os filhos e assim por diante. Mas possuir não é se relacionar. Na verdade, possuir é destruir todas as possibilidades de se relacionar. Se você se relaciona, você respeita, você não pode possuir.
Dois amantes sustentam algo invisível e algo imensamente valioso: eles se apóiam, apóiam uma certa harmonia, mas mesmo assim permanecem independentes. Eles podem se expor ao outro, porque não há medo algum. Eles sabem quem são. Eles conhecem sua beleza interior, conhecem seu perfume interior, não há medo nenhum.
Mas normalmente o medo existe... Por isso milhões de pessoas decidem permanecer sementes, mas permanecer semente é permanecer morto, permanecer semente é não viver de modo algum. Certamente ela está segura, mas não tem vida. A morte é segura, a vida é insegura. A pessoa que realmente quer viver tem que viver em perigo, em constante perigo. Aquele que quer escalar os mais altos picos tem que correr o risco de cair de algum lugar, de escorregar.
Quanto maior é o desejo de crescer, mais e mais perigo tem de ser aceito. O homem verdadeiro aceita o perigo como seu próprio estilo de vida, com seu próprio clima de crescimento. Você me pergunta: Por que é tão difícil se relacionar?

É difícil porque você ainda não é. Primeiro seja. Tudo mais é possível só depois disso: primeiro seja. Se você é, a coragem vem como conseqüência. Se você é, um grande desejo de se aventurar, de descobrir, surge. E quando você está pronto para descobrir, você pode se relacionar. Relacionar é descobrir – descobrir a consciência do outro, descobrir o território do outro. Mas quando você descobre o território do outro, tem que permitir e dar as boas vindas para o outro descobrir você. Não pode ser um caminho de mão única. E você pode permitir que o outro o descubra somente quando tiver algum tesouro dentro de si.

 Então não há medo. Na verdade você convida a pessoa, abraça o convidado, o chama para dentro, quer que ele entre. Você quer que ele veja o que você descobriu em si mesmo, quer compartilhar.

 Bom sabado para todos nós.
"Não é impossível ser feliz depois que a gente cresce. É só mais complicado".

Bjks
Mitchel

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Sempre é possível e necessário Recomeçar



Meus queridos e minhas amadas, hoje, me sinto muito, muito triste e  gostaria de escrever sobre um tema muito importante e que tem tudo haver com o momento que estou vivendo... RECOMEÇAR!


Não importa onde você parou... Em que momento da vida você cansou...
O que importa é que sempre é possível e necessário "Recomeçar".
Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo... É renovar as esperanças na vida e o mais importante...
Acreditar em você de novo!
Sofreu muito nesse período?
Foi aprendizado...
Chorou muito?
Foi limpeza da alma...
Ficou com raiva das pessoas?
Foi para perdoá-las um dia...
Sentiu-se só por diversas vezes?
É por que fechaste a porta até para os anjos...
Acreditou que tudo estava perdido?
Era o início da tua melhora...
Pois é... Agora é hora de reiniciar... De pensar na luz... De encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Que tal um novo emprego?
Uma nova profissão?
Um corte de cabelo arrojado... Diferente?
Um novo curso... Ou aquele velho desejo de aprender a pintar... Desenhar... Dominar o computador... Ou qualquer outra coisa...
Olha quanto desafio... Quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus te esperando.
Tá se sentindo sozinho?
Besteira... Tem tanta gente que você afastou com o seu "período de isolamento"...
Tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para "chegar" perto de você.
Quando nos trancamos na tristeza...
Nem nós mesmos nos suportamos... Ficamos horríveis...
O mau humor vai comendo nosso fígado...
Até a boca fica amarga.
Recomeçar...
Hoje é um bom dia para começar novos desafios.
Onde você quer chegar?
Vá alto... Sonhe alto... Queira o melhor do melhor...
Queira coisas boas para a vida...
Pensando assim trazemos prá nós aquilo que desejamos...
Se pensamos pequeno... Coisas pequenas teremos...
Já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente lutarmos pelo melhor... O melhor vai se instalar na nossa vida.
E é hoje o dia da faxina mental...
Joga fora tudo que te prende ao passado... Ao mundinho de coisas tristes... Fotos... Peças de roupa, papel de bala...
Ingressos de cinema bilhetes de viagens...

E toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados...
Jogue tudo fora... Mas principalmente... Esvazie seu coração...
Fique pronto para a vida... Para um novo amor...
Lembre-se: somos apaixonáveis...
Somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes...
Afinal de contas... Nós somos o "Amor"...

Mas nunca, jamais, deixe de acreditar que daqui a pouco, depois de refeita e ainda mais predisposta a acertar, vai viver de novo, vai doer de novo e, sobretudo, vai amar mais uma vez. E não somente uma pessoa, mas tudo o que for digno de ser amado!

Uma excelente quinta-feira a todos.
Bjks.
Mitchel

sábado, 6 de novembro de 2010

Morre Lentamente





Oi gente! Trago hoje um texto de Pablo Neruda para sacudir nossos conceitos. Reflitam...

Morre lentamente,
quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente,
quem destrói seu amor próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem se transforma em escravo do hábito repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente,
quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos e os corações aos tropeços.
Morre lentamente,
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, ou amor, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho quem não se permite, pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos...

Viva hoje!

Arrisque hoje!

Faça hoje!

Não se deixe morrer lentamente!

NÃO SE ESQUEÇA DE SER FELIZ!

Um meeeeegggaaa fim de semana para todos nós.
Bjks a todos vcs meus queridos.
Mitchel

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sawabona Shikoba





Queridos e queridas leitoras, eu simplesmente adoooro esse texto, espero que vocês também gostem.


Texto de  Flávio Gikovate - Médico Psicanalista
Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o inicio deste milênio.
As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor.
O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar.
A idéia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo, está fadada a desaparecer neste início de século.
O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos.
Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, tem atingido mais a mulher.
Ela abandona suas características, para se amalgamar ao projeto masculino.
A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei. Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante.
Uma idéia prática de sobrevivência, e pouco romântica, por sinal.
A palavra de ordem deste século é parceria. Estamos trocando o amor de necessidade, pelo amor de desejo.
Eu gosto e desejo a companhia, mas não preciso, o que é muito diferente.
Com o avanço tecnológico, que exige mais tempo individual, as pessoas estão perdendo o pavor de ficar sozinhas, e aprendendo a conviver melhor consigo mesmas.
Elas estão começando a perceber que se sentem fração, mas são inteiras.
O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente uma fração.
Não é príncipe ou salvador de coisa nenhuma. É apenas um companheiro de viagem.
Estamos entrando na era da individualidade, o que não tem nada a ver com egoísmo.
O egoísta não tem energia própria; ele se alimenta da energia que vem do outro, seja ela financeira ou moral.
A nova forma de amor, ou mais amor, tem nova feição e significado.
Visa a aproximação de dois inteiros, e não a união de duas metades.
E ela só é possível para aqueles que conseguem trabalhar sua individualidade.
Quanto mais o indivíduo for competente para viver sozinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva.
A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso. Ao contrário, dá dignidade à pessoa.
As boas relações afetivas são ótimas, são muito parecidas com o ficar sozinho, ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem.
Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas do século passado.
Cada cérebro é único.
Nosso modo de pensar e agir não serve de referência para avaliar ninguém.
Muitas vezes, pensamos que o outro é nossa alma gêmea e, na verdade, o que fizemos foi inventá-lo ao nosso gosto.
Todas as pessoas deveriam ficar sozinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal.
Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito só podem ser encontradas dentro dele mesmo, e não a partir do outro.
Ao perceber isso, ele se torna menos crítico e mais compreensivo quanto às diferenças, respeitando a maneira de ser de cada um.
O amor de duas pessoas inteiras é bem mais saudável.
Nesse tipo de ligação, há o aconchego, o prazer da companhia e o respeito pelo ser amado.
Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém. Algumas vezes temos de aprender a  perdoar a nós mesmos...

Caso tenha ficado curioso(a) em saber o significado de SAWABONA, é um cumprimento usado no sul da África que quer dizer:
“Eu Te respeito, eu te Valorizo, você é importante pra mim”.

Em resposta as pessoas dizem SHIKOBA que é:
“Então eu existo pra você”

Uma excelente quinta-feira para todos nós.
Bjks
Mitchel