Olááá! Hoje é

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Vencer!!!



Recebi essa reflexão de Vinicius e para iniciarmos nossa semana, compartilho com vocês.

Sucesso, reconhecimento, fama, glória. Muitos de nós lutamos por motivos assim.
Mas não se constrói um bom nome da noite para o dia.
É preciso trabalhar muito. Ainda que haja tropeços e quedas, é preciso superar os obstáculos.
É preciso ter motivação, perseverar, insistir...
A vida é uma sucessão de batalhas. Emprego, família, amigos: todos nós temos um status atual, e temos também expectativas com relação ao futuro.
 No entanto, as reviravoltas do destino nos surpreendem. Nem sempre dá para se fazer só o que gostamos. Mas aquele que gosta do que faz e sente orgulhoso em fazer melhor.
A cada dia vai mais longe. Há momentos de calmaria... E há momentos agitados, decisivos, em que a boa intenção não basta. É quando a vida nos cobra coragem, arrojo, criatividade e um inabalável espírito de luta.
A verdade é que os problemas e os reveses ocorrem com maior freqüência do que gostaríamos.
Os tempos mudam. Surgem novos desafios e novos objetivos.
Os guerreiros olham nos olhos do futuro sem medo e sem arrogância, mas com a confiança de quem está pronto para o combate.
Viver é também estar preparado para as situações difíceis. O modo como encaramos as dificuldades é que faz a diferença.
Às vezes nos perguntamos: como enfrentar as mudanças radicais que se apresentam diante de nós? Como atuar num novo cenário, onde coisas que fazíamos tão bem precisam ser reaprendidas?  Como lutar sem deixar para trás valores fundamentais? E mais: como saber a medida exata a ser tomada no momento certo? O incrível é que justamente diante de situações adversas, muitos redescobrem o que têm de melhor.
 A ética, a amizade, a capacidade de criar novas estratégias fundamentadas na experiência, o talento para promover alianças positivas, o espírito de liderança, a consciência da força que reside no verdadeiro trabalho em equipe.
Tudo isso aflora quando as circunstâncias exigem, quando se sabe que existe um objetivo maior a ser alcançado. Claro que não é fácil abandonar hábitos, costumes... Não é fácil adaptar-se aos novos meios, ou usar recursos aos quais não estávamos familiarizados. Mas todo guerreiro sabe que pessimismo e insegurança nessa hora só atrapalham.
Ainda que a ameaça venha de vários lados, com agilidade, força e determinação podemos alcançar o resultado. A combinação de energia e inteligência, assim como o equilíbrio entre a razão e a emoção são fundamentais para o sucesso.
É uma sensação extremamente agradável chegar ao fim de uma etapa com a consciência do dever cumprido. E obter a consagração, o respeito de todos, o reconhecimento dos colegas, a admiração das pessoas que amamos... Ouvir o próprio nome com orgulho.
Aquele orgulho de quem viu nos obstáculos a oportunidade de crescer. O orgulho de quem soube enfrentar as turbulências da vida e vencer... O orgulho de ser um vencedor que não abriu a mão dos seus maiores fundamentos.

Bom inicio de semana meus queridos!
Bjks
Mitchel


quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Você é único!


 

Pessoal, hoje trago uma mensagem muito simples, mas com um enorme significado.

Já imaginou passar o resto da sua vida fazendo a vontade dos outros? Ou então sempre pensando sobre o que os outros vão dizer sobre você?

Os seus sentimentos são únicos e só você sabe o valor que eles têm e a forma de experimentá-los, por isso viva, coloque todo seu coração para fora, deixe-o respirar da forma que ele desejar.

Nascemos para amar, acima de tudo, e só seremos amados quando amarmos… É tão óbvio que chega à ser ridículo! Rsrs

Não existe outro caminho para isso.

Quer amor? Ame! Quer realização? Faça!

Coloque suas inspirações em prática e canalize todas suas energias para que isso se concretize da forma mais brilhante possível.

As pessoas apenas sofrem quando fogem de seus sonhos e do que seus corações lhes dizem.

Encontrar a felicidade é algo simples, basta ser corajoso em seguir seu coração.

Bjks meus queridos!
Mitchel

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Feliz dia de Hoje





Há umas três semanas atrás eu estava no consultório da minha terapeuta, quando reparei que ao meu lado tinha um livro. Comecei a ler algumas páginas e me encantei com a forma simples e clara que o autor citava coisas que acontecem no nosso cotidiano. Quando cheguei em casa comentei com meu namorado Vinicius sobre uma história que li no livro (que num próximo post vou trazer pra vocês). Bem... Então no fim de semana ao ir ao Shopping, entrei na Livraria Saraiva e comprei o tal livro. O título é “Feliz dia de Hoje” de Edro de carvalho.
Edro inicia o capítulo dizendo que ao deparar-se com o posicionamento humano frente ás várias situações que a vida nos apresenta, pensou em coletá-los sob a forma de um livro de se chamaria “inversão de valores”, pois é exatamente isso que muitas pessoas fazem ao apegarem-se ás convenções em vez de valorizar o que de fato importa para elas, o que lhes dá prazer, lhes faz feliz e abre o caminho para a realização dos sonhos. O preço a pagar é muito caro. Paga-se por essa inversão de valores a moeda da frustração e da infelicidade.
E com isso vem o medo.
Então, trago hoje uma história que aconteceu com o próprio Edro e que nos fala do Medo.
Edro era gerente de uma das maiores indústrias de alimentos do mundo. A companhia o enviou a Chicago para fazer um estágio na matriz para se inteirar das transformações que estavam surgindo no mundo comercial. Essa transformação era o marketing e a criação de novos produtos.
Edro sabia que na América havia uma empresa, a Nielsen, que media a posição e o fluxo dos produtos nos pontos de vendas, coisa até então inédita no Brasil. Assim, num intervalo do estágio, ele foi até lá. Pediu pra falar com o senhor Arthur Nielsen (fundador e dono da empresa).
Como ele não tinha hora marcada, insistiu com a recepcionista que precisa falar com ele, que no dia seguinte estaria voltando ao brasil, e conseguiu falar com o filho de Arthur Nielsen.
Edro conseguiu convencê-lo e logo em seguida ao próprio Arthur que a renda das regiões sul e suldeste do Brasil eram muito maior do que o restante do país. E hoje a Nielsen está há quase 50 anos no Brasil.

Você pode estar se perguntando: “O que tudo isso te a ver com o medo?”.

Rigorosamente nada. Essa história não tem nada a ver com o medo porque, se tivesse, eu não teria feito o que fiz. Havia vários medos dos quais eu poderia ter medo.  Medo de procurar uma pessoa importante como Arthur Nielsen, medo de não ser recebido, medo de ser mandado embora, medo de ousar sugerir a Nielsen que viesse para o Brasil, medo de ser ridicularizado. Mas eu não tive medo de ter medo. Apenas fui lá e fiz. E hoje a Nielsen já está há quase 50 anos no Brasil.

Pense nisso: você nunca vai conseguir descobrir o que é capaz de fazer se deixar o medo impedi-lo de fazer.

Bjks
Um meeeggaaaa fim de semana pra todos nós.
Mitchel

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A diferença entre os avanços tecnológicos e os afetivos é alarmante!

Nos 


Por: Rosana Braga

Nos últimos 50 anos, os avanços conquistados na área da tecnologia, da ciência e da medicina foram (e tudo nos leva a crer que serão cada vez mais) inimagináveis. Nunca evoluímos tanto no desenvolvimento da informática, maquinários, descobertas científicas e também no universo da saúde, especialmente no que se referem à extensão da juventude, cirurgias estéticas e transplantes de órgãos.

Os meios de comunicação também surpreendem os que, há menos de 25 anos, ainda se comunicavam fundamentalmente por telex e linha telefônica – que era disputada a ferro e fogo e custava uma quantia considerável. Quem imaginava que tão rapidamente teríamos câmeras ao vivo, espalhadas pelo mundo todo? Hoje, a tecnologia nos permite acompanhar a dinâmica do mundo em tempo real. Já se fala até em construir um avatar de você mesmo para deixar para a posteridade. Ou seja, você já pode ser imortal, o que significa que seus bisnetos, tataranetos e gerações seguintes poderão falar com a sua versão virtual, através de qualquer computador.

Espantoso? Creio que não! Ou melhor, creio que esse avanço é totalmente compatível com a inteligência e a criatividade humana. Porém, espantoso mesmo é o quanto nos mantemos retrógrados e atrasados no campo das emoções. Se traçarmos um paralelo entre esse estonteante crescimento e o amadurecimento afetivo que tivemos no mesmo período, constataremos que estamos diante de um dilema bastante perigoso.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), daqui a 10 anos, a depressão será a segunda causa de improdutividade das pessoas, perdendo apenas para as doenças cardiovasculares. Prevê também que a cada 30 segundos, pelo menos uma pessoa cometerá suicídio no mundo. Além disso, sabe-se que cerca de 400 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de distúrbios afetivos, incluindo ansiedade, bipolar, TOC, depressão, entre outros.

Agora, pensemos: a expectativa de vida aumenta a cada ano, mas a nossa capacidade de lidar com nossas emoções, expressar nosso afeto ou simplesmente conversar sobre o que nos incomoda continua tão pequena. Bastaria analisarmos o fato de que uma mulher, por exemplo, pode voltar a “ser virgem” por meio de uma cirurgia de reconstituição do hímen e, no entanto, a maioria dos casais sequer consegue falar sobre sua sexualidade e suas dificuldades porque tem medo de se entregar, de confiar ou de compreender melhor suas crenças sobre sexo.

Tudo isso sem falar sobre a tão pouca atitude consciente que ainda temos a respeito da preservação da natureza, ou ainda sobre como ser gentil com as pessoas que mais importam, seja nosso cônjuge, nossos filhos ou familiares. No ambiente de trabalho, quantos ainda cumprem sua carga horária exclusivamente em troca do salário mensal, sem nenhuma perspectiva de transformação humana, sem nenhum comprometimento com a qualidade das relações que mantém a maior parte do dia, da semana, do tempo de sua vida?

Se quisermos realmente vivenciar a felicidade enquanto desfrutamos de avanços como cura de doenças, possibilidades de novos relacionamentos e facilidades tecnológicas, é urgente adotarmos uma nova postura diante da vida. Claro que as atitudes que nos conduzem ao amadurecimento não são resultado apenas de uma decisão, mas certamente este é o primeiro passo. Em seguida, por meio de leituras, terapias, espiritualização e novos aprendizados, é certo que poderemos fazer um ótimo trabalho.

Sobretudo, que não nos enganemos: conhecimento se dá pelo processo de assimilação das informações corretas. Mas sabedoria, aquela que promove a transformação de que tanto precisamos, só é possível quando nossas atitudes são coerentes com o que sabemos. Ou seja, exercício diário, consistente e ininterrupto!

Bjks meus queridos!
Um super fim de semana a todos.
Mitchel


Nos ú


 

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A importância de se sentir bem!


 

Quem não quer se sentir bem?

 

Tudo que fazemos em nossas vidas é baseado em nossa busca incansável de experimentar e vivenciar emoções. Não há forma de negar que somos feitos de emoções, tudo que escolhemos fazer é para poder experimentá-las em suas diferentes formas. É da natureza do ser humano sempre procurar se sentir melhor.

Por isso é tão importante se conhecer e aprender sobre si mesmo e sobre as coisas que você sente.

Porque é dentro de você que as coisas acontecem, então se você não se conhece muito, acaba entendendo pouco sobre seus sentimentos e isso é algo que afeta nossas vidas diariamente…
Quem nunca sofreu por amor? Quem nunca se sentiu vazio realizando algo que não gosta? Quem nunca tomou uma atitude “às cegas” e se arrependeu depois? 

O primeiro passo é aceitar o momento e a realidade que você está vivendo… Pois como podemos mudar algo que não aceitamos?

Quanto mais honesto você for com a imagem que você enxerga no espelho, maior será sua sensibilidade (“intuição”, “feeling”) e sua inteligência emocional (capacidade de lidar com o que sente).

E isso é importantíssimo para o seu sonho! É um dos primeiros passos! E sim, é possível sim chegar aonde você quer… É apenas uma questão de ponto de vista, você só precisa alimentar o ponto de vista certo!

E então… acho que é hora de começar a se conhecer você não acha?


Um Feliz dia de Hoje!

Bjks
Mitchel

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Sonho ou Comodismo?





O PRIMEIRO SINTOMA DE QUE VOCÊ NÃO ESTÁ VIVENDO O QUE QUER É O TÉDIO!
É muito difícil deixar sua zona de conforto, porém é muito mais difícil deixar seus sonhos para trás…  Isso na verdade é uma escolha, quando você escolher um não poderá viver o outro.

SONHO OU COMODISMO! Simples assim!
O que ninguém fala sobre essas coisas é que, agir com o coração é só pra quem é forte, pois o preço é bem alto! E VOCÊ TEM QUE ESTAR DISPOSTO PARA ISSO, SENÃO A VIDA NÃO ANDA!
Decidir ir atrás do seu sonho ou não, você vai pagar um preço de qualquer jeito. Então que seja o mais caro para adquirir o melhor mesmo!!! É o que a gente merece! Você não acha?
EU TENHO CERTEZA!!! Rsrs

Vai ficar aí parado feito um manezão esperando o tempo passar?
SAIA DO SOFÁ DO COMODISMO!!!

Bjks
Mitchel

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Transforme Obstáculos em Oportunidades



Olá minhas queridas e meus queridos, para inaugurar o novo designer do meu Blog que fiz com muito carinho, eu trouxe pra vocês um belo texto de Jael Coaracy.

Em nossa vida cotidiana, ninguém, em melhor situação que esteja, esta livre de obstáculos. E essa é justamente uma das maiores dificuldades do ser humano: Saber como lidar com uma situação difícil, superar todos os contratempos e alcançar seus objetivos. Felizmente toda crise pode ser transformada em oportunidade se soubemos lidar com ela.

Segue abaixo 11 dicas de como transformar esses obstáculos em oportunidades:
1. Aceitar as dificuldades naturalmente, recusando-se a vestir a fantasia da vítima. Quando alguém se coloca como vítima, está abrindo mão do papel de agente da própria vida.

2. Administrar as próprias emoções para que elas atuem a seu favor. Você faz isso permanecendo num estado de recursos para lidar com as dificuldades que se apresentam. O estado de recursos é aquele em que você acessa suas habilidades e mantém o foco nas possibilidades.

3. Observar a situação com objetividade para escolher a melhor forma de agir diante do problema.

4. Perguntar a si mesmo: “Que oportunidade esse obstáculo representa para meu crescimento?”

5. Estar inteiro no momento presente, mantendo a convicção de que não há problemas que não tragam com eles a semente da solução.

6. Manter a fé na própria capacidade de superar obstáculos, recusando-se a entregar seu poder para outra pessoa ou situação.

7. Reavaliar as suas atitudes e mudar o que não está dando certo para você, sem se deter no que passou nem se preocupar com o futuro.

8. Buscar caminhos alternativos para chegar ao seu objetivo. Quando uma pessoa, ou um grupo de pessoas, ou ainda uma situação especifica, não contribuem para seu objetivo, mude de estratégia. Você se surpreenderá ao descobrir as infinitas possibilidades que o universo provê para que você possa alcançar seus objetivos.

9. Fazer a sua parte, mantendo o pensamento positivo e trabalhando, certo de que o universo atrairá as circunstâncias necessárias para superar os obstáculos.

10. Receber os obstáculos que surgem no caminho como ferramentas para fortalecer sua determinação e autoconfiança.

11. Desenvolver o hábito de se distanciar das emoções usando técnicas. Por exemplo: projete o que estiver vivendo numa tela branca, como se estivesse no cinema, assistindo a um filme em que você é o protagonista. Vendo a si mesmo como se fosse outra pessoa, observe o que está ocorrendo com neutralidade e avalie o melhor modo de agir.

Um super fim de semana a todos.
Bjks
Mitchel

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Muita aparência pra bem pouca consistência!



Por Rosana Braga

Praticamente impossível não surgir ao menos um assunto incluindo o tema “relacionamentos” numa rodinha de bate-papo, seja entre homens, mulheres ou os dois juntos.

É de praxe falar sobre um casal conhecido, a própria relação ou sobre causos ouvidos. Ou seja, a grande maioria das pessoas sempre tem uma opinião, uma história ou uma experiência vivida que inclui afeto, amor, paixão e todos os sentimentos conseqüentes.

Acontece que, cada vez mais, tenho tido a impressão de que o que se fala não é exatamente o que se sente. Ou melhor, a maneira com que se tem falado das situações que envolvem o coração é bem destoante do modo com que se tem vivido os sentimentos.

A meu ver, temos maquiado nossas palavras e colocações a fim de mostrá-las seguras, cheias de certezas, tão certas a ponto de tornarem-se inflexíveis, ao menos aparentemente. Parece-me que estamos convencidos de que precisamos provar que temos uma autoconfiança e uma auto-estima imbatíveis, indestrutíveis, sobre-humanas talvez...

Mas estou certa de que a realidade não é bem essa! Na solidão de cada quarto, no consolo de um ombro amigo, nas confissões feitas nos divãs e até na busca esperançosa nos templos, igrejas e orações, fica evidente que há bem pouca consistência nesta aparente perfeição.

Mais do que isso, a fragilidade e os intermináveis questionamentos que rondam tantos corações estão gritando em cada relação vivida e até mesmo naquelas não-vividas. A carência, o medo de sofrer, dúvidas sobre o que fazer e como agir revelam o quanto o ego de tanta gente está bem maior do que sua consciência.

Por quê? É... Também me faço esta pergunta e não a encontro em absoluto, pois felizmente não sou dona da verdade, mas suponho que elas têm tentado – a todo custo – tão somente se defender. Entretanto, de tão defendidas, de tão cheias de couraças, escudos e máscaras, terminam subjugando sua essência e, portanto, se distanciando daquilo que realmente sentem.

Creio que a autopercepção seja um bom primeiro passo. Observarmos aquilo que estamos dizendo, pensando ou fazendo é uma maneira eficiente de constatarmos o quanto nossas palavras têm estado desafinadas com o que carregamos no peito.

Frases carregadas de prepotência, do tipo “eu sou assim e pronto”, “se quiser, ele (ou ela) que mude de idéia”, “ninguém vai mandar em mim”, entre outras, só servem para encorpar um orgulho que não nos preenche e nem nos satisfaz.

Que a partir de agora, possamos admitir mais: “não sei”, “talvez eu tenha mesmo que mudar de idéia”, “quem sabe eu esteja enganado?”, “estou confuso, com medo, precisando de ajuda”...

E que assim, bem mais consistentemente humanos, possamos nos encontrar num abraço maior que nossos próprios braços, que nos acolha não porque parecemos sempre certos, mas porque somos sempre ‘gente’... E gente precisa de afeto!


Bjks
Mitchel