Olááá! Hoje é

terça-feira, 26 de julho de 2011

A Vida e as Estações




Apreciem esse poema de Martha Medeiros.


Eu queria que a vida fosse dividida em quatro estágios, mas que não acabasse nunca.

A infância é como a primavera. É pura novidade e um calor que não sufoca nem faz pensar bobagens. Tem uma inocência quase cafona, uma singeleza clássica, e traz no íntimo a certeza de que pela frente vem coisa boa. A gente quer que passe logo, mas sabe que nunca mais será tão protegido, a mordomia não será eterna. É quando as coisas acontecem pela primeira vez, é quando num arbusto verde vemos surgir alguns vermelhos, é surpresa, a primeira de uma série.

A adolescência é como o verão. Quente, petulante, libidinosa.
Parece que não vai haver tempo para fazer tudo o que se quer e o que se teme. É musical e fotogênica. Dúvidas, dúvidas, dúvidas em frente ao mar. Mergulha-se no profundo e no raso. Pouca roupa, pouca bagagem. Curiosidade. Vontade que dure para sempre, certeza de que passa.
Noção do corpo. Festas e religião. Amor e fé.

A maturidade é como o outono. Um longo e instável outono, que alterna dias quentes e frios, que nos emociona e nos gripa. Há mais beleza e o ar é mais seco, porém é quando se colhem os melhores abraços. Ficar sozinho passa a não ser tão aterrorizante. Fugimos para a praia, fugimos para a serra, as idéias aprendem a se movimentar, a fazer a mala rápido, a trocar de rota se o desejo se impuser, e não é preciso consultar o pai e a mãe antes de errar. É o outono que tentamos conservar.
 
O inverno é como a velhice. Tem sua beleza igualmente, exige lã, bolsa de água quente, termômetro e uma janela bem vedada. O que não queremos que entre? Maus presságios. O inverno é frio como despedida de um grande amor, mas sabemos que tudo voltará a ser ameno. Queremos que passe, temos medo que termine. Ficar sozinho volta a ser aterrorizante. O inverno é branco, é cinza, é prata. É grisalho. E, de repente, também passa.

Eu queria que tudo fosse verdade, que a vida fosse assim dividida em quatro estágios que mais parecem estações do ano, mas que não acabasse, que depois do inverno viesse outra primavera, e outro verão, e outro outono, que nunca são iguais, mas sempre se repetem, sempre voltam, são tão certos quanto o sol e a lua, todo dia, toda noite. Eu queria.

Bjks
Mitchel

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Sabe por que você sofre por amor?







Por: Rosana Braga



Melhor dizendo, sabe por que você, eu e todas as pessoas do mundo sofremos, por qualquer que seja o motivo? Porque resistimos, rebelamo-nos e travamos uma luta contra o que está acontecendo e que não tem nos agradado!

Ou seja, não aceitamos a vida como ela está se mostrando num determinado momento. Não aceitamos o fluxo e passamos a investir pensamentos, sentimentos e emoções, e muitas vezes também palavras e ações, pra revelar nossa imensa indignação diante do acontecimento que está em desacordo com a nossa vontade.

E você poderia se justificar dizendo que faz isso porque não é acomodado, porque luta por aquilo que quer e porque acredita que quem não faz nada para mudar o que não está bom, é covarde, derrotado e fraco.

Compreendo seu ponto de vista e tenho certeza de que parte do seu argumento faz sentido. Mas explico: existe uma enorme diferença entre fazer o seu melhor e tentar tudo o que for possível (sem desrespeitar o limite do outro, claro!) para conseguir o que deseja e... Não saber reconhecer a hora de parar e confiar no Universo, a hora de deixar a vida rolar...

Porque, no final das contas, é isso que se chama FÉ! Ou seja, confiar, entregar-se ao ritmo da vida sem ficar contestando, brigando, resistindo, tentando se convencer ou convencer o outro de que as coisas deveriam ser diferentes! Não deveriam!!! Se devessem, simplesmente seriam diferentes!

O fato é que nem você e nem ninguém tem controle sobre o mundo, sobre outra pessoa e, muitas vezes, nem sobre a própria vida. Nosso controle é parcial, é limitado, vai somente até onde estamos conscientes; e, acredite: a grande maioria de nós está bem pouco consciente diante de tudo o que existe ao nosso redor!

Podemos decidir muitas coisas, podemos e devemos fazer escolhas a todo momento, mas tudo isso tem influência sobre os resultados até certo ponto. Somos apenas uma pequena parte do todo e, por isso, vivemos também sob a influência do imponderável, do inexplicável, do invisível e até do impensável. Ou seja, vivemos sob as demandas do incontrolável.

E isso significa dizer que, muitas vezes, depois de já ter tentado tudo o que podia, depois de ter feito o melhor que conseguia, não haverá mais nada que você possa fazer para mudar uma situação senão aceitá-la exatamente como ela é, senão confiar na sabedoria da vida e acreditar que o que tiver de ser, será! Que o melhor pode estar por vir se você realmente estiver disposto a aprender, a não repetir os mesmos erros e a, sobretudo, se perdoar pelo que não conseguiu acertar desta vez!

E quando você consegue fazer isso, quando consegue respirar fundo e simplesmente confiar, é inacreditável como você relaxa e tudo começa a fazer mais sentido, tudo começa a ficar mais fácil do que tem sido... Ou seja, o sofrimento começa a diminuir, a dor começa a passar e você termina descobrindo que nada é por acaso mesmo!

Especialmente quando o assunto é dor de amor, sofrimento por alguma frustração ou desilusão amorosa, a gente costuma acreditar que nunca vai passar, ou que vai demorar mais do que podemos suportar, ou ainda que as consequências serão desastrosas, como nunca mais confiar em ninguém, nunca mais se entregar ou nunca mais sequer se relacionar.

Mas embora o tempo tenha seus segredos e poderes, há algo que você pode fazer agora para diminuir seu sofrimento, pra sentir essa dor sumir pouco a pouco. E isso é aceitar, confiar, entregar-se ao ritmo da vida, deixar-se levar com o fluxo do Universo e viver um dia de cada vez, sem fazer tantos planos, sem investir tantos pensamentos e tanta energia nesse acontecimento com o qual você não concorda! Apenas o agora, apenas este momento. E verá, surpreendido, que é bem mais fácil viver quando a gente para de brigar e simplesmente acredita que, ao fazer o nosso melhor, o que tiver de ser nosso, será – mais cedo ou mais tarde!

Bjks

Mitchel
micpimentel03@gmail.com

terça-feira, 19 de julho de 2011

Observe seus Sentimentos e Emoções





Quando nos ressentimos, ou magoamos com alguém, significa que demos atenção demais aquilo que nos foi feito ou dito. Mas será que a intenção da pessoa foi realmente nos magoar? 
Cada individuo tem enraizado em si valores e leis morais que julga completamente corretos, e que quando contrariados ou questionados, o fazem sentir raiva, culpa, ansiedade, medo e etc.

Por sermos únicos, cada pessoa sente o mesmo problema com intensidade diferente, que pode variar de acordo com os nossos registros internos. Para que esses registros sejam modificados, é necessário que busquemos o autoconhecimento e mudemos nossos pensamentos, palavras e atitudes.
Quando nos magoamos, sentimos auto-piedade e culpamos as outras pessoas pela nossa angústia e sofrimento, desejando inconscientemente sermos notados. As conseqüências de atitudes como essas podem ser a ansiedade e a carência. O hábito de “beliscar” comida o dia todo pode ser uma forma de aplacar o sentimento de ansiedade.

Toda vez que uma pessoa estiver engordando, ou tendo dificuldades para emagrecer, ela deve repensar em tudo o que tem vivenciado, se houve algum acontecimento marcante, ou se há um grande acúmulo de mágoas. Problemas na tireóide podem significar o quanto a pessoa não se sente no direito de ser feliz. É como se o nosso corpo estivesse falando:
” Todos podem ser felizes, menos eu.”

Outras pessoas podem desenvolver uma camada de gordura como forma de proteção do mundo ameaçador e aplacar a carência gerada pela falta de contato com o outro. A pessoa carente pode usar além da comida, o cigarro, a bebida, as drogas e os remédios como válvula de escape.


Então, comece a exercer uma auto-análise (se necessário, procure o auxilio profissional) e comece a devolver os problemas que os outros colocam no seu colo, as provocações e os insultos. Desapegue-se de tudo aquilo que não te pertence, e só faz mal para você. E principalmente, liberte-se dos fantasmas do passado para que você possa vivenciar um futuro de paz, felicidade e literalmente, leveza.

Muita paz a todos.
Mitchel

micpimentel03@gmail.com

quinta-feira, 14 de julho de 2011

São eles ou elas que não querem namorar?



Por: Rosana Braga


Elas reclamam deles. Eles reclamam delas. Homens e mulheres parecem insatisfeitos com o nível de disponibilidade um do outro no que se refere a assumir um compromisso. Mas o fato é que -no final das contas- mais do que atitudes que não agradam ou expectativas diferentes, o problema entre eles e elas tem sido um desastroso equívoco na comunicação, ou na compreensão das manifestações afetivas.

Está claro que homens e mulheres têm alimentado falsas versões sobre como deveriam se comportar para atraírem um ao outro. Pensam, inocentemente, que o ideal é mostrar algo do tipo "estou muito bem sozinho, obrigado!" ou "não preciso de você para ser feliz". A intenção é parecer auto-suficiente e independente, especialmente num primeiro momento. Compreensível, parece-me, já que o contrário realmente não seria eficiente: mostrar-se demasiadamente ansioso para se comprometer, como se toda a possibilidade de ser feliz estivesse justamente na chegada de outra pessoa.

No entanto, o ideal certamente passeia entre esses dois cenários. Ou seja, nem oito, nem oitenta. Os extremos só servem para estereotipar a questão - o que é uma grande cilada! Pessoas extremamente dependentes ou independentes terminam, por fim, muito mais repelindo do que atraindo o outro. A idéia é, sem dúvida, encontrar o equilíbrio. Eis o segredo do sucesso: interdependência! Algo como "estou bem sozinho, e espero que você também, mas talvez possamos nos sentir ainda melhores juntos!".

Desse modo, pergunto: você realmente acredita que existem homens ou mulheres desejando sinceramente viver sozinhos? Pois posso apostar que aquele ou aquela que continua insistindo que não quer namorar, é porque tem um dentre dois motivos! Ou está morrendo de medo de assumir seus sentimentos e reconhecer que adoraria experimentar a intimidade e o amor... Ou simplesmente ainda não encontrou a pessoa que fez seu coração acelerar e sua respiração mudar de ritmo!

Nenhum ser humano livre, espontâneo, saudável e de bem com a vida e consigo mesmo -seja homem ou mulher- se recusaria a viver um romance estando diante de alguém que mexe com seus hormônios e faz suas pupilas dilatarem. Portanto, eles e elas querem, sim, namorar. E quando insistem em demonstrar algo diferente disso, talvez estejam apenas precisando ajustar, reconhecer e revelar a verdadeira razão.

Claro que, enquanto a "pessoa certa" não chega, o melhor é aproveitar a solteirice, divertir-se, fazer amigos e sustentar a bandeira do "estou feliz sozinho". Afinal, concordo com o velho e bom ditado que manda "antes só do que mal acompanhado". Porém, quem está sempre com alguém porque não agüenta a si mesmo ou quem está sempre sozinho porque não sabe como compartilhar sua história com outra pessoa precisa se rever o quanto antes. E não restam dúvidas de que tanto homens quanto mulheres podem estar ocupando esses lugares. Não se trata de uma questão de gênero, mas sim que uma questão humana.

Bjks;
Mitchel
micpimentel03@gmail.com

terça-feira, 12 de julho de 2011

Amor combina com leveza. Livre-se do "peso morto"!



Por: Rosana Braga


Quantos quilos de peso morto você tem carregado? Há quanto tempo?
 
Arrependimentos inúteis, raivas que não acabam nunca, lamentos pelo que não deu certo, vitimização, insistência na dor, resistência às mudanças... Argh! Isso pesa! E pesa muito! E é peso inútil. Não serve para absolutamente nada! Ou melhor, serve para te deixar mais lento, quando não parado! Serve para te fazer acreditar que a vida é realmente muito difícil e talvez até questionar se tudo isso vale mesmo a pena...

Claro que todo mundo vivencia frustrações, perdas, tristezas e dúvidas. Faz parte da dinâmica da vida e dos relacionamentos. Afinal, amar é um exercício de aprendizado. É a partir do encontro com o outro que percebemos com maior clareza quem somos nós. Mas, acredite, o amor está muito mais para a leveza do que para as neuras desenfreadas e sem o menor bom-senso.

Portanto, livre-se dos seus pesos inúteis, o quanto antes! E se você não tem a menor idéia de por onde começar sugiro que faça uma bela faxina no seu guarda-roupa. Isso mesmo: abra as portas dele, bote tudo pra fora e comece a separar o que você realmente gosta e usa daquilo que vem guardando há anos sem nem sequer se lembrar de que tem. Ou seja, não usa, talvez nem goste mais, mas continua mantendo aí, ocupando um espaço que poderia estar servindo para arejar o ambiente – o que é essencial para manter suas peças mais cheirosas e organizadas.

O que isso tem a ver com amor?

Bem, estou sugerindo um exercício externo para que você compreenda a importância e a dinâmica do que precisa ser feito internamente. Sem contar que, convenhamos, a sensação de leveza e bem-estar que ganhamos ao revisitar e reorganizar nossos armários tem, sem dúvida, tudo a ver com a sensação que sentimos quando nos livramos de sentimentos e autopunições inúteis, velhas, ultrapassadas e que não nos tem ajudado em nada na busca pela felicidade e pelo amor que tanto merecemos!

Depois dessa limpeza externa, se continuar confuso quanto ao que precisa definitivamente tirar de dentro de você, pegue duas folhas de papel e uma caneta. Na primeira folha, escreva tudo o que reconhecer de bom em você. Seja generoso e abundante, sem ser prepotente, é claro! Seja também detalhista. Em vez de somente usar adjetivos genéricos, tente fazer deste papel uma espécie de inventário sobre si, ou seja, personalizado. Resgate momentos marcantes de sua vida e anote como você foi admirável. O que fez? Como fez? Por exemplo, num relacionamento, o outro cometeu um deslize e, ao pedir perdão, em vez de esculachá-lo, mostrar-se superior ou responsabilizá-lo por tudo o que estava insatisfatório na relação, você conseguiu ouvir, ponderar, refletir sobre de que forma participou daquilo tudo. Enfim, agiu como parceiro e não como inimigo.

Na segunda folha, escreva tudo o que conseguir admitir que não lhe serve mais. Talvez uma mágoa ressequida, uma desconfiança sem motivo real, uma excesso de crítica, crenças limitantes (do tipo nenhum homem presta ou não existem mulheres sinceras). Talvez seu maior peso morto tenha a ver com excesso de insegurança ou ansiedade, falta de autoestima, enfim, desvalorização de quem você é e de tudo de bom que existe em você. Escreva!
Por fim, pegue a primeira folha, com seus predicados, e guarde com você. Toda vez que se sentir incapaz de dar um passo adiante, recorra a ela e encontre suas ferramentas internas. E quanto à outra folha, com o peso morto, rasgue, pique, destrua, acabe com ela! Jogue-a no lixo ou queime! E faça isso sempre que julgar necessário. Sempre que se sentir pesado demais para amar...

Certamente, esse exercício não acaba com todos os seus problemas, mas ajuda bastante a te deixar mais leve para encontrar soluções mais criativas e otimistas! Bom trabalho!

Mitchel
micpimentel03@gmail.com

domingo, 10 de julho de 2011

Auto Reflexão





Olá meninas! Como estão vocês? Espero que tenham tido um ótimo fim de semana.

Bom, semana passada eu estive conversando com uma amiga que está passando por um problema pessoal e quando estávamos dialogando, eu me lembrei de umas perguntas que minha terapeuta Ana Vanessa me fez  a tempos atrás e repassei essas perguntas pra ela. Nesse exato momento me veio a idéia de repassar pra vocês também.

1) Como seria sua vida perfeita? Como é uma vida maravilhosa pra você? Qual é o homem ideal pra você? Como é o relacionamento ideal pra você?
2)  O que te impede ou te impossibilita de ter essa vida?
3) O que você pode fazer pra ter essa vida?

Eu sei que não é fácil responder essas perguntas. E você só conseguirá responder a segunda e a terceira, quando souber a primeira. Eu demorei alguns meses... rsrsrs.

O mais interessante, foi eu chegar cheia de satisfação no consultório dela, com minhas perguntas respondidas, uma semana depois dela ter me deixado com esse dever de casa. Ela pediu que eu lesse pra ela as minhas respostas e quando terminei, ela me disse:

- Você já sabe o que não quer. Mas você não respondeu as perguntas baseado no que você quer.

Acreditem! É fácil você responder o que você não quer, que tipo de homem não quer, baseado em experiências ruins. Mas...

O que você procura?   
 É preciso saber o que procura, pra identificar quando encontrar.

O que você quer?   
 É preciso saber, pra perceber por onde começar, que caminhos tomar.

Bom, voltei pra casa, e como disse antes - passei meses pra responder.

Desejo que tenham uma boa auto reflexão e muito discernimento, serenidade e amor consigo mesmas nesse momento.

Bjks e uma super meeegggaaa semana.

Mitchel  
Micpimentel03@gmail.com